Pesquisa revela que apenas 0,74% dos sites brasileiros atendem às pessoas com algum tipo de deficiência

SolStock/Getty Images
Levantamento sobre acessibilidade na web analisou três recursos: os links, as imagens e os formulários

Pelo segundo ano consecutivo, a plataforma de dados BigDataCorp e o Movimento Web para Todos, iniciativa que tem o propósito de mobilizar, educar e transformar a sociedade para a construção de uma web acessível a todas as pessoas, inclusive os mais de 45 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência, realizaram um levantamento para avaliar o nível de acessibilidade desses usuários.

Para fazer essa análise, foram visitados os 14,65 milhões de endereços ativos da web brasileira. A conclusão do levantamento é que, embora a situação tenha tido uma leve melhora em relação ao ano passado, a internet no Brasil ainda é muito inacessível para cidadãos com algum tipo de deficiência, seja ela de visão, audição, motora ou outras. A variação no total de sites que tiveram sucesso em todos os testes de acessibilidade aplicados foi mínima: de 0,61% em agosto de 2019 para 0,74% em abril de 2020.

“Esse é um crescimento pequeno, mas equivale, proporcionalmente, a um aumento superior a 21%”, diz Thoran Rodrigues, CEO e fundador da BigDataCorp. “Outra forma de enxergar uma tendência positiva é o fato de que, se no ano passado havia 5,6% de sites que falharam em absolutamente todos os testes aplicados, hoje apenas 0,01% ‘zeraram’”, compara.

LEIA MAIS: Movimento Black Money anuncia marketplace específico para empreendedores negros

Para o executivo, analisados em conjunto, esses dois dados apontam para uma tendência em prol da redução de barreiras. “Mas o fato é que ainda temos 99,26% dos sites com pelo menos um problema a ser solucionado em termos de acessibilidade.”

MOMENTO OPORTUNO

Para Simone Freire, idealizadora do Movimento Web para Todos, o momento é muito oportuno para a conscientização da sociedade sobre o problema de exclusão digital. “Estamos há dois meses isolados em nossas casas por conta do novo coronavírus. A web, mais do que nunca, tornou-se o nosso principal meio de comunicação com o mundo externo: para comprar, fazer reuniões virtuais, buscar informação, estudar e se divertir. Esses resultados evidenciam ainda mais o isolamento que esta parcela da população enfrenta todos os dias de suas vidas.”

Os dados apurados apontam uma leve melhora na acessibilidade nos sites governamentais. No primeiro monitoramento, 99,66% deles acusavam algum problema de acessibilidade contra 96,71% da análise atual. Visto por outro ângulo, apenas 0,34% dos sites governamentais não continham falhas, índice que hoje está em 3,29%.

O levantamento analisou três recursos das páginas web: os links, as imagens e os formulários. Quando não aplicados corretamente, esses itens acabam se tornando barreiras para pessoas com algum tipo de deficiência. “Imagens sem descrição são empecilhos para pessoas cegas conseguirem compreender o conteúdo da foto ou figura publicada. Formulários com problemas de acessibilidade dificultam o alcance de pessoas cegas e de pessoas com mobilidade reduzida que não conseguem usar o mouse”, exemplifica Reinaldo Ferraz, especialista em desenvolvimento web do W3C Brasil e do Ceweb.br/NIC.br, entidade que tem como missão disseminar e promover o uso de tecnologias abertas na web e que também participou da iniciativa.

Veja, no infográfico, os recursos analisados e as principais diferenças entre os dois levantamentos:

Arte Forbes
Aumentou de 95,18% para 97,22% o número de sites que não passaram pelos testes aplicados pelo verificador de markup (HTML) automático criado pelo World Wide Web Consortium (W3C), entidade referência de padrões a serem seguidos na web

Esta segunda edição do estudo constatou que os sites de educação lideram o ranking de eliminação de barreiras de navegação para pessoas com deficiência – 3,88% deles não apresentaram problemas para este público, um resultado mais de cinco vezes maior do que o índice geral. Na sequência estão os sites de notícias, com 3,03% de sites aprovados, os corporativos, com 2,81%, e os e-commerces, com 1,30%.

Para Vagner Diniz, gerente geral do W3C Brasil e do Ceweb.br/NIC.br, a mudança da web brasileira em prol das pessoas com deficiências depende, principalmente, da adesão das empresas e instituições à causa. “A transformação seria muito mais rápida se a legislação especificasse quais critérios de acessibilidade um site deve atender. Por enquanto, isso não passa de uma declaração de boa vontade do legislador, mas sem nenhuma aplicação prática.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).