Tesla tenta permissão para vender sensor de criança presa em carro fechado

Reuters
Reuters

O dispositivo usa quatro transmissores e três receptores comandados por uma unidade de radar

A Tesla pediu à agência de comunicações dos Estados Unidos (FCC) aprovação para vender um dispositivo de detecção de movimento de curta distância que poderia, segundo a empresa, ajudar a evitar que crianças sejam esquecidas dentro dos veículos. O aparelho também poderia ampliar sistemas de prevenção a roubo.

A montadora de carros elétricos quer permissão para usar nos carros sensores de onda milimétrica que vão funcionar sob níveis maiores de energia que o atualmente permitido.

LEIA MAIS: Elon Musk confirma projeto de proteção anti-hacker para carros da Tesla

O dispositivo da Tesla usa quatro transmissores e três receptores comandados por uma unidade de radar. A Tesla afirma que a tecnologia tem vantagens sobre outros sistemas sensores como os baseados em câmeras ou em pressão nos bancos.

A montadora alega que o sistema baseado no radar proposto “fornece uma percepção profunda e pode ‘ver’ através de materiais moles como uma coberta que possa ter sido esquecida sobre a criança presa em cadeirinha”.

A empresa diz que o sistema pode diferenciar entre uma criança e um objeto deixado no banco, “reduzindo a probabilidade de alarme falso”. A tecnologia também poderia detectar “padrões de micromovimento como os de respiração ou batimento cardíaco, que não podem ser capturados por câmeras ou sensores nos bancos apenas”.

A Tesla afirmou que a FCC já permitiu em 2018 um pedido similar feito pela Alphabet para um dispositivo que funciona sob os mesmos parâmetros.

Autoridades de trânsito dos EUA afirmam que mais de 50 crianças morreram em 2018 e 2019 ao serem deixadas dentro de carros fechados sob altas temperaturas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).