Google.org destina R$ 2,5 milhões a organizações negras, Feira Preta, Racial 360° & Muito Mais

Arte sobre foto/ Getty Images

Google.org destina R$ 2,5 milhões a organizações negras dedicadas à justiça racial

O Google.org anunciou, na manhã de hoje (20), que vai apoiar organizações sem fins lucrativos e de pesquisa que tenham seus trabalhos focados no avanço da justiça racial e no combate à violência contra a população negra no Brasil. A iniciativa envolve doações no valor de US$ 500 mil (cerca de R$ 2,5 milhões).

A maior parte dos recursos – R$ 2,1 milhões – será destinada ao Fundo Baobá, o primeiro e único destinado exclusivamente à promoção da igualdade racial no Brasil, que selecionará 10 organizações lideradas por pessoas negras a terem seus projetos financiados pelo braço filantrópico do Google.

Cada uma das 10 organizações selecionadas receberá cerca de R$ 140 mil para execução de projetos locais focados em temas como acesso à justiça, combate à violência e vivência com dignidade da população negra.

Além da seleção, o Fundo Baobá coordenará uma jornada de capacitação técnica e desenvolvimento institucional das organizações, para garantir que os projetos sejam executados de modo eficiente e obtenham o maior impacto possível localmente.

“Segundo o último censo da filantropia realizado por institutos e fundações empresariais, promoção da igualdade racial responde por apenas 14% dos projetos e programas apoiados”, destaca Selma Moreira, diretora do Fundo Baobá. “O apoio do Google.org tem um potencial que vai além das organizações que serão apoiadas com os recursos financeiros destinados à justiça racial. Trata-se de um importante exemplo para que outras instituições abracem o desafio da equidade racial no Brasil”, analisa.

O Google também explicou que destinará cerca de R$ 536 mil ao Núcleo de Pesquisa em Justiça Racial e Direito, sob direção da dupla de professores Thiago Amparo e Marta Machado, da FGV Direito, em São Paulo. O objetivo é contribuir para a produção de uma pesquisa dedicada a coletar e disponibilizar dados referentes à violência policial contra a população negra brasileira a partir de estudos de caso e suas respectivas decisões judiciais. Como resultado, o núcleo pretende reunir todo material coletado em um site, desenvolver uma base de dados sobre os casos estudados acessível a todos, além de recomendações sobre a responsabilização e justiça em casos de violência racial.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

****
Divulgação

Em formato 100% digital, Feira Preta 2020 terá festival e ocupação nas redes

A Feira Preta, um dos principais eventos de cultura e empreendedorismo negro da América, ganha um novo formato em 2020: será totalmente online, entre os dias 20 de novembro e 10 de dezembro. Com o tema “Existe um Futuro Preto!”, a 19ª edição da iniciativa será transmitida por diferentes plataformas e redes sociais – como TikTok, Spotify, YouTube, Facebook e Instagram –, passando por aplicativos de relacionamento que irão cocriar conteúdos com curadoria Feira Preta, durante o #FeiraPretaOcupa.

Já o Festival Feira Preta, que pela primeira vez terá patrocínio da Lei Rouanet, trará programação artística e cultural focada em afrofuturismo e afropresentismo, com mais de 100 atrações nacionais e internacionais, entre shows, hackathon, workshops, talks e painéis. E conteúdo curado e produzido por uma equipe de quatro produtoras de audiovisual lideradas por profissionais pretos: Arroz Doce Produções, Oxalá Produções, Terra Preta Produções e A Rua Agradece.

“Um dos principais papéis da Feira Preta dentro da comunidade negra, além de influenciar na construção coletiva de projeções para o futuro, é transmitir esperança. Não existe a possibilidade de deixarmos de realizar o evento e exercer essa transmissão em um ano cujo cenário é tão distópico, ainda mais quando impacta diretamente uma parcela populacional que vive cotidianamente essas distopias”, explica Adriana Barbosa, criadora da Feira Preta e CEO da PretaHub.

Ao longo dos 20 dias, a programação terá como base a Casa PretaHub e a Casa Natura Musical e transmissão online. Entre as atrações confirmadas estão as apresentações de Luedji Luna com a cantora britânica Anais, Tássia Reis, a segunda edição do Preta Jazz Festival, o Encontro dos Blocos Afros SP: Ilú Oba, Ilú Inã, Umojá e Zumbiido, e o show dos músicos refugiados da diáspora africana no África em nós. Todas as apresentações musicais serão realizadas direto do palco da Casa Natura Musical. A programação completa está no site do evento.

LEIA MAIS:Lista dos 100 Afrodescendentes Mais Influentes de 2020 tem 10 brasileiros

****
Movile promove evento sobre liderança e tecnologia para profissionais negros

O Grupo Movile anunciou a primeira edição do Only Blacks, evento online com os principais líderes e especialistas negros das empresas que fazem parte do seu ecossistema para uma troca de experiências e aprendizados com outros profissionais negros. Gratuito, o debate contará com a presença do Maurício Rodrigues, CFO na Bayer, Denis Caldeira, diretor do Facebook, e Grazi Mendes, head de people na ThoughtWorks. O evento será no dia 28, das 9h às 21h. Para participar, é necessário realizar a inscrição. Nathalya Carvalho, líder do AfroMovile, grupo de etnia do Grupo Movile, revela que o principal objetivo é promover um espaço seguro e confortável de trocas de experiências e dicas sobre carreira e tecnologia entre profissionais negros. “Normalmente, as pessoas pretas são convidadas apenas para falar sobre o racismo e a necessidade de diversidade e inclusão nas empresas. Sabemos que a discussão é essencial, mas também queremos dar um passo adiante e criar um ambiente seguro e acolhedor para que profissionais negros compartilhem seus projetos e suas trajetórias para inspirar e apoiar outras pessoas negras.”

VEJA TAMBÉM: Kelly Baptista, da Fundação 1Bi: “Queremos reduzir o apartheid tecnológico do Brasil”

****
Google for Startups anuncia investimentos em seis startups brasileiras fundadas e lideradas por negros

O Google for Startups Brasil anunciou hoje seis novas empresas selecionadas para receberem a segunda leva de investimentos do Black Founders Fund, fundo de investimento destinado a startups fundadas e lideradas por negros no Brasil.

Entre elas estão a Aoca Game Lab, empresa baiana de desenvolvimento de games independentes, focada em propriedades intelectuais de alma local e alcance global, e a LegAut, plataforma que busca, analisa e organiza toda documentação de transações imobiliárias.

“As empresas selecionadas neste momento nos mostram que estão aptas a escalar seus negócios e promover mudanças significativas em suas comunidades, não apenas em relação à maior diversidade no mercado, mas no impacto que suas soluções podem produzir”, explica André Barrence, diretor do Google for Startups na América Latina.

O executivo revela que, entre as selecionadas, está ainda a EasyJur, responsável pelo desenvolvimento de um software jurídico inteligente para advogados, que auxilia na gestão de escritórios de advocacia por meio de Inteligência Humana e Artificial.

Além de buscar uma rodada de investimento seed para financiar o próximo estágio de desenvolvimento, as empresas que desejam participar do fundo devem oferecer uma solução criada com base em tecnologia e já ter um negócio em operação, ou seja, já possuir um produto lançado com alguns usuários e possíveis clientes. Outra selecionada, a WeUse, por exemplo, desenvolveu um guarda-roupa virtual de consumo compartilhado no qual os assinantes escolhem as roupas pelo app e recebem em casa.

A Treinus, plataforma de treinos esportivos criados por especialistas de acordo com o perfil e objetivos individuais, e a Wellbe, plataforma empresarial de inteligência e redução de custo, que integra diversos dados de saúde e oferece indicadores para auxiliar na gestão, completam as escolhidas. As inscrições para o fundo permanecem abertas por meio de um formulário no site.

LEIA MAIS: Conheça os três primeiros negócios no Brasil apoiados pelo Black Founders Fund, do Google

****
Divulgação

Gama Academy promove evento sobre o Dia da Consciência Negra

Para celebrar o Dia da Consciência Negra, a Gama Academy, escola que seleciona talentos e forma profissionais para o mercado digital, promoverá o evento “Ocupa Gama Black” logo mais, às 17h30, em sua página do Instagram. O convidado será Vítor Del Rey, presidente do Instituto Guetto. A live vai abordar as dificuldades na contratação de negros, cotas e ações afirmativas. “O Vitor é um ativista político dos direitos civis da pessoa negra e membro da Comissão da Verdade da Escravidão Negra no Brasil. Estamos super honrados em poder abrir o nosso espaço para um profissional como ele. Afinal, precisamos mudar a realidade dos acessos para os negros em todas as camadas sociais. E isso começa pela educação”, afirma Guilherme Junqueira, CEO da Gama Academy.

VEJA TAMBÉM: EXCLUSIVO: Nubank e Qintess conduzem tratativas para avançar pauta racial

****
Divulgação

Fábulas da Conexão aborda letramento racial e afrofuturismo

Para o mês da Consciência Negra, a Vivo está desenvolvendo o projeto Fábulas da Conexão, com quatro curtas-metragens que mostram histórias que unem a tecnologia com elementos inspirados no realismo fantástico e narrativas brasileiras. A curadoria é de Andreza Delgado, uma das criadoras da PerifaCon. Os curtas, que abordam temas como afrofuturismo, ancestralidade e o brincar sob o olhar periférico de uma perspectiva tecnológica tem a mentoria dos cineastas Renata Martins e Diego Paulino. As narrações dos episódios são feitas por Luedji Luna, Lia de Itamaracá, Linn da Quebrada e Russo Passapusso. O projeto faz parte das iniciativas do Vivo On, área de produção de conteúdo da Vivo que cria e executa a estratégia de conteúdo digital da marca e é formado pelos times da própria empresa, pelas agências VMLY&R e Soko, e pela produtora Coração da Selva. Na segunda (23), a empresa fará um evento interno, que que vai abordar letramento racial e afrofuturismo, com os influenciadores Monique Evelle, Ale Santos, Ricardo Pedreti, Valquiria Lima e Ruth Angelina Martins.

VEJA MAIS: Ale Santos, sobre a importância do afrofuturismo: “Algoritmos estão criando uma população invisível”

****
P&G lança o projeto Racial 360°

A P&G, uma das maiores empresas de bens de consumo do mundo, anunciou que pretende fortalecer sua jornada intencional para estimular a diversidade e inclusão étnico-racial por meio do projeto Racial 360°. A iniciativa permeia quatro esferas: colaboradores, suas marcas, parceiros de negócios e o compromisso com a comunidade. Uma das ações que contemplam o programa é a segunda onda da Aceleradora P&G Social – edição Racial 360° que tem o objetivo de alavancar o desenvolvimento de empresas fundadas e geridas por negros. Junto com o Movimento Black Money e a Integrare, será oferecido um programa de desenvolvimento para criar condições de reparações estruturais contribuindo com empreendimentos de pessoas negras no mercado de trabalho. Serão ofertadas pelo menos 10 vagas, e o afroempreendedor interessado pode se cadastrar pelo site.

LEIA TAMBÉM: Fa.vela aposta em consultoria com foco em inovação social

****
McKinsey realiza terceira edição de evento que aspira transformar a inclusão racial no mundo corporativo

Estão abertas as inscrições para a Conferência Juntos 2020, evento realizado pela McKinsey & Company em parceria com grandes empresas como Itaú Unibanco, J.P. Morgan e Bristol Myers Squibb, com foco em diversidade racial e inclusão no mundo corporativo. O encontro será nos dias 21, 25 e 28 de novembro, com duração de, aproximadamente, três horas por dia. Este ano, pela primeira vez o evento será 100% digital e continuará com o propósito de influenciar a formação de uma geração de jovens profissionais negros por meio de ações em três pilares: inspiração, desenvolvimento e conexão. Na programação estão previstas palestras com profissionais negros de destaque no mercado e lideranças da McKinsey, sessões de treinamento em colaboração com a Cia de Talentos e exposição de empresas engajadas na diversidade racial. Entre os confirmados, estão Luana Génot, fundadora e diretora executiva do ID_BR, Samantha Almeida, diretora do Twitter Next no Brasil, Mafoane Odara, gerente do Instituto Avon, Giovani Rocha, consultor de políticas educacionais, Nina da Hora, cientista da computação e ativista por negros na tecnologia, Sofia Esteves, fundadora e presidente do Conselho da Cia de Talentos, e Aldemir Cruz, diretor de estratégia e operações de negócios da BMS. A programação completa está disponível no site.

VEJA MAIS: Nana Baffour, da Qintess, fala sobre transformação digital e diversidade

****

Januário Garcia

Marcha Zumbi está Vivo

Google estreia seção especial dedicada à arte afro-brasileira

O Google Arts & Culture, plataforma do gigante de buscas que disponibiliza virtualmente mais de 2 mil museus, está lançando, em parceria com 15 instituições culturais, o projeto “Consciências Negras”, uma seção inédita dedicada à arte e cultura afro-brasileira. Ao todo, a iniciativa reúne 31 exposições, 13 delas inéditas, como a coleção de 600 obras digitalizadas do Museu de Arte da Bahia, retratadas pela primeira vez em alta resolução, e a mostra com detalhes da história por trás dessa celebração, explicados pelo Geledés Instituto da Mulher Negra. Há também uma área dedicada às expressões artísticas e culturais do Porto do Rio – principal porto do tráfico de escravos das Américas, hoje lugar de intercâmbio e convivência pela arte e cultura. O projeto destaca, ainda, as histórias do Museu Nacional de Belas Artes com a mostra “Nas Brechas das Representações”, as fotografias de costumes brasileiros sobre Christiano Junior, pertencente ao Museu Histórico Nacional, as correspondências e as declarações que atestam a dedicação de Cândido Portinari em privilegiar vozes marginalizadas e figuras afro-brasileiras, destacadas pela Fundação Cândido Portinari. Há obras da Pinacoteca de São Paulo, Museu da Pessoa, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Belo Horizonte, Instituto Moreira Salles, Museu Nacional, Museu de Arte Moderna Rio e Museu Oscar Niemeyer, entre outras instituições.

LEIA MAIS: ESPECIAL INOVADORES NEGROS

****
Reprodução

ÉDITODOS lança livro sobre afroempreendedorismo

A coalizão ÉDITODOS, aliança fundada em 2017 que reúne vários atores do ecossistema de empreendedorismo negro no Brasil, acaba lança seu primeiro livro: “O Impacto do Afroempreendedorismo”. A publicação faz parte da coleção “Que Impacto é Esse?”, da editora Aupa, um portal dedicado a produzir conteúdo jornalístico sobre o setor de impacto socioambiental no Brasil. A obra, que está em pré-venda, apresenta um panorama da realidade de nano, micro e pequenos negócios, liderados por afroempreendedores no Brasil, com suas diversas nuances e particularidades. Também faz análises sobre a importância e o impacto da atuação em rede quando se pensa em projetos de fomento econômico e social, escritas pelos seis líderes da coalizão: Adriana Barbosa, CEO da PretaHub e fundadora da Feira Preta, Alex Barcellos, cofundador da Agência Solano Trindade, Fernanda Ribeiro, CEO da Afrobusiness, Jaqueline Fernandes, diretora geral do Instituto Afrolatinas, João Souza, cofundador do FA.VELA, e Paulo Rogério Nunes, cofundador da Vale do Dendê. Vendas pelo site.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).