B3 passa a negociar o ESGB11, primeiro ETF ESG do BTG Pactual no Brasil

Djgunner/GettyImages
Djgunner/GettyImages

ETF irá replicar a carteira teórica do S&P/B3 Brasil ESG, índice lançado em setembro em parceria entre a S&P Dow Jones e a B3

A B3 deu início hoje (5) às negociações do ESGB11, fundo de índice (ETF, na sigla em inglês) do BTG Pactual que irá replicar a carteira teórica do S&P/B3 Brasil ESG (SPBRESBP), índice lançado em setembro reunindo as companhias abertas brasileiras comprometidas com práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês).

Com o ESGB11, os investidores poderão em um único aporte investir nas empresas listadas pelo índice da B3 que é composto por 96 ativos de organizações alinhadas com padrões internacionais de sustentabilidade. Os ETFs copiam o desempenho das ações de um determinado índice. O ESGB11 irá, portanto, copiar o desempenho das ações do Índice S&P/B3 Brasil ESG da B3.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Em comunicado à imprensa, a head de ESG do BTG Pactual, Beatriz Freitas, afirmou que “a agenda ESG é obrigatória e queremos oferecer aos nossos clientes de todos os segmentos oportunidades para investirem em empresas que tenham boas práticas ESG.”

O Índice S&P/B3 Brasil ESG segue o sistema de avaliação ESG reconhecido internacionalmente e utilizado no índice Dow Jones Sustainability Index.

“Recentemente, aspectos ESG passaram a ter relevância sem precedentes para investidores e vimos uma demanda crescente por índices que incorporam dados e princípios de sustentabilidade em suas metodologias” destacou Reid Steadman, chefe Global de Índices ESG da S&P DJI.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).