BC não dá aval para 22% das instituições que pediram para ofertar Pix, como Alipay e Banco XP

SOPAImages/GettyImages
SOPAImages/GettyImages

O BC deu o sinal verde a 762 instituições, número que engloba bancos, financeiras, fintechs e instituições de pagamentos, entre outras empresas.

O Banco Central não deu aval para 218 instituições ofertarem o Pix, o que representa 22% do total que havia solicitado essa aprovação em junho, conforme dados divulgados pela autarquia hoje (22). Segundo o BC, essas instituições não foram consideradas aptas para entrada em operação ou foram excluídas a pedido.

A Alipay Brasil Meios de Pagamento, por exemplo, estava entre as empresas em processo de adesão, mas não entrou na lista divulgada no final desta manhã. Alipay é a plataforma de pagamentos digitais do grupo chinês Alibaba. O Banco XP S.A. também não consta entre os aprovados pelo BC, assim como a Paypal Brasil e o Banco A J Renner S.A. Em nota, a XP esclareceu que “não aderiu ao PIX, neste momento, pois o Banco XP ainda não oferece serviços de conta digital. No entanto, a adesão será feita em breve, assim que os serviços de transferência bancária estiverem disponíveis”.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O BC deu o sinal verde a 762 instituições, número que engloba bancos, financeiras, fintechs e instituições de pagamentos, entre outras empresas.

Em junho, o BC havia dito que 980 instituições financeiras haviam solicitado adesão para oferecer o Pix, que permitirá a realização de pagamentos 24 horas por dia, todos os dias do ano, a um custo operacional significativamente mais baixo que o de modalidades já consolidadas no mercado, como transferências do tipo TED ou DOC e pagamentos por cartões de crédito e débito.

O processo de adesão foi encerrado em 16 de outubro e será reaberto de forma permanente em 1º de dezembro, disse o BC. O início operacional pleno do Pix ocorrerá em 16 de novembro. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).