Presidente do Fed diz que neste ano poderá ocorrer a recalibragem de compra de títulos

Banco Central dos Estados Unidos pode reduzir as compras mensais de ativos dependendo da distribuição dos imunizantes contra o coronavírus em 2021.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jonathan Crosby/Reuters
Jonathan Crosby/Reuters

Raphael Bostic, presidente do Fed, acredita que as próximas semanas serão difíceis para a economia norte-americana

Acessibilidade


Raphael Bostic, CEO do Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed, em inglês), declarou hoje (05) que o Banco Central dos EUA pode começar a reduzir suas compras menais de ativos em 2021 se a distribuição de vacinas contra o coronavírus impulsionar a economia como esperado. O que pode representar uma perspectiva otimista para os próximos meses.

Em um comunicado de política monetária no mês passado, o Fed afirmou que manteria essas compras “até que progressos substanciais sejam feitos” para restaurar o pleno emprego da economia e elevar a inflação para a meta da autoridade monetária de 2%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Bostic acredita que as próximas semanas serão difíceis para a economia norte-americana, com o coronavírus ainda se propagando, já que qualquer política monetária do Banco Central dos Estados Unidos estaria atrelada diretamente a uma implementação bem-sucedida de uma vacina que contenha a pandemia.

Contudo, ele tem esperança de que em um tempo relativamente rápido seja possivel recalibrar os US$ 120 bilhões em títulos do tesouro dos EUA (Treasuries, em inglês) e títulos lastreados em hipotecas que o Fed está adquirindo a cada mês, finaliza Bostic em entrevista à Reuters. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: