Fundo da Vinci Partners conclui aquisição de parques eólicos da Petrobras

A transação envolveu também aquisição da participação da alemã Wobben Windpower nas usinas Mangue Seco 3 e Mangue Seco 4

Redação
Compartilhe esta publicação:
Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

De acordo com Vinci Partners, aquisição dos parques eólicos da Petrobras é uma estratégia para diversificar portfólio e gerar renda de longo prazo aos seus investidores

Acessibilidade


Um fundo de investimento controlado pela gestora de recursos Vinci Partners concluiu hoje (5) a aquisição de dois parques eólicos no Rio Grande do Norte, após ter fechado a compra da participação da estatal Petrobras nos empreendimentos.

A transação, que marca a saída da Petrobras dos negócios em energia eólica, envolveu também fatia detida pela alemã Wobben Windpower nas usinas, conhecidas como Mangue Seco 3 e Mangue Seco 4, cada uma com 26 megawatts em capacidade instalada e operacionais desde 2011, informou a Vinci em fato relevante.

LEIA TAMBÉM: Petrobras eleva preço de venda de gás para distribuidoras em 39% a partir de maio

“A consecução do negócio representa uma importante aquisição de ativos de geração de energia renovável, reforçando as práticas de sustentabilidade e as políticas de ESG da Vinci“, disse a gestora, em referência à sigla em inglês para questões ambientais, sociais e de governança.

A empresa afirmou ainda que a operação é “totalmente aderente à estratégia do fundo de proporcionar um perfil de renda de longo prazo a seus investidores e diversificação de seu portfólio”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O acordo pelas usinas no Rio Grande do Norte envolveu pagamento total de R$ 183,15 milhões realizado hoje (5), divididos proporcionalmente entre Petrobras e Wobben. Cerca de R$ 22,48 milhões haviam sido pagos quando da assinatura do contrato.

A operação foi fechada pela Vinci por meio de seu veículo de investimentos V2i Energia.

Antes, a Vinci já havia divulgado acordo para a compra da fatia da Petrobras no parque eólico Mangue Seco 1, parte do mesmo complexo no Rio Grande do Norte e também com 26 megawatts em capacidade.

VEJA MAIS: Volkswagen comprará créditos da Tesla na China para cumprir regras ambientais

Em paralelo, a gestora assinou um contrato para comprar a fatia de 51% detida pela Alubar Energia em Mangue Seco 1, em transação que aguarda condições precedentes para ser fechada, incluindo aprovação pelo Banco do Nordeste (BNB), que financiou o parque.

O valor total da transação para aquisição de 100% da usina eólica é de R$ 86,8 milhões.

A Vinci disse em comunicado anterior, em fevereiro, que a aquisição das três usinas do complexo Mangue Seco envolverá mais de 65% do valor captado em sua última emissão de cotas para seu fundo voltado ao setor de energia.

A conclusão do negócio também representa a saída total da Petrobras de ativos de energia eólica.

LEIA TAMBÉM: A próxima ruptura está aqui: a megatendência global de energia alternativa

Além dos parques negociados com a Vinci, a Petrobras anunciou acordo recente para vender sua fatia na usina eólica Mangue Seco 2 ao fundo Pirineus, por R$ 32,97 milhões. A Eletrobras, sócia da petroleira no ativo, também vendeu sua participação.

Os desinvestimentos da Petrobras ocorrem em maio a um amplo plano de vendas de ativos, com a companhia prometendo focar atenção e recursos na exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: