BC eleva taxa básica de juros para 3,50% e indica outra alta da mesma magnitude

Adriano Machado
Adriano Machado

O aumento de 0,75 p.p. era amplamente esperado pelo mercado após o Copom ter explicitado a intenção de repetir em maio a dose de aperto anterior

O Banco Central anunciou hoje (5) a segunda alta consecutiva de 0,75 ponto porcentual da taxa básica de juros, para 3,50%, e indicou a intenção de fazer novo aperto da mesma magnitude em sua próxima reunião, em junho.

O movimento ocorre em meio ao aumento persistente da inflação corrente e das expectativas para a inflação de 2022.

LEIA MAIS: Lucro dos bancos deve voltar a patamar de R$ 120 bilhões em 2021, diz diretor do BC

“Neste momento, o cenário básico do Copom indica ser apropriada uma normalização parcial da taxa de juros, com a manutenção de algum estímulo monetário ao longo do processo de recuperação econômica”, afirmou o Copom (Comitê de Política Monetária) em comunicado.

“Para a próxima reunião, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude”, acrescentou o colegiado, ressaltando que os passos futuros poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação

O aumento de 0,75 p.p. era amplamente esperado pelo mercado após o Copom ter explicitado a intenção de repetir em maio a dose de aperto promovida na reunião anterior, em março, quando a Selic foi elevada pela primeira vez em quase seis anos.

Todos os 29 analistas entrevistados em pesquisa Reuters realizada em 28 e 29 de abril previam uma alta de 0,75 p.p. para esta reunião.

O país tem sofrido uma escalada da inflação, sob a pressão da alta de preços de commodities e de combustíveis, mesmo em meio à intensificação das medidas de restrição devido ao recrudescimento da pandemia de Covid-19.

O IPCA superou os 6% nos 12 meses até março, acima do teto da meta deste ano, que é de 3,75%, com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos. A expectativa do mercado é que a inflação feche o ano em 5,04%, segundo a mais recente pesquisa Focus do BC.

Para 2022, horizonte em que está agora focada a política monetária, as expectativas do mercado apontam para uma inflação de 3,61%, acima da meta central para o período, que é de 3,5%, também sujeita à margem de tolerância.

Ao elevar os juros em março, o BC anunciou estar dando início a um processo de “normalização parcial” da política monetária, indicando a intenção de ainda manter um estímulo à economia, com os juros abaixo do patamar considerado neutro (6,5%, segundo cenário básico citado pelo BC no mês passado).

O mercado espera que a Selic feche este ano em 5,50%, chegando a 6,25% no final de 2022. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).