Ibovespa segue exterior e opera em alta, com recuo nas criptos e minério no radar

O dólar recua contra o real nesta segunda-feira, perdendo 0,47% e negociado a R$ 5,3283 na venda.

Ana Paula Pereira e Iasmin Paiva
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta de 0,13% aos 122.755 pontos na abertura desta segunda-feira (24), acompanhando o tom positivo para os ativos de risco no exterior com investidores à espera de dados da inflação nos Estados Unidos previstos para a semana. O mercado segue atento também as movimentações das criptomoedas. No fim de semana, os preços registraram forte oscilação e nesta manhã, o bitcoin era cotado próximo dos US$ 38 mil no exterior, patamar observado em fevereiro deste ano.

Em comentário matinal, a analista da Clear Corretora, Pietra Guerra, afirma que entre os destaques do dia estão ainda a continuidade da correção nos preços do minério de ferro, após recuo acumulado de 5,4% na última semana. “Hoje, o minério segue a tendência negativa caindo mais 4% com medidas da China para tentar conter a alta acelerada da commodity recente, o que pode trazer algum impacto negativo nas empresas de mineração e siderurgia.”

No contexto doméstico, as atenções estão concentradas ainda para a revisão das despesas do orçamento e possibilidade de extensão do auxílio emergencial, o que pode limitar os ganhos na sessão.

No noticiário corporativo, a processadora de carnes Marfrig confirmou no último sábado (22) ter comprado 24,23% do capital da BRF. Em nota, a companhia disse que a operação “visa diversificar os investimentos” do grupo. Em comunicados, Marfrig e BRF confirmaram as transações, que haviam antecipadas pela imprensa. O negócio somou 196,68 milhões de papéis.

Já a Petrobras anunciou que pretende vender toda a sua participação remanescente na BR Distribuidora ainda este ano, em uma operação que pode render mais de R$ 8 bilhões, segundo fontes ouvidas pela agência Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos indicadores, o Boletim Focus do Banco Central mostra hoje que a projeção do mercado para a inflação neste ano chegou praticamente ao teto da meta, com as estimativas para o IPCA em 2021 subindo de 5,15% para 5,24%, apenas 0,01 ponto percentual abaixo do teto da meta (3,75%, com margem de 1,5 ponto para mais ou para menos).

A perspectiva para 2022 também aumentou, em 0,03 ponto percentual, chegando a 3,67%. O centro da meta para o ano que vem é de 3,50%, também com margem de 1,5 ponto.

O dólar recua contra o real nesta segunda-feira, perdendo 0,47% e negociado a R$ 5,3283 às 10h12, horário de Brasília, com operadores de todo o mundo trabalhando em modo de espera no aguardo de dados de inflação dos Estados Unidos e em busca de pistas sobre o destino da política monetária do Federal Reserve.

Os futuros dos índices dos Estados Unidos apontam para abertura em alta no início do dia, ainda com otimismo de uma mudança na política monetária sinalizada na ata de abril do Fomc (Comitê Federal de Mercado de Capitais).

As ações europeias trabalham com estabilidade nesta segunda-feira, diante de preocupações com a inflação e com a volatilidade de ativos digitais. Os mercados alemães estão fechados hoje devido ao feriado no país. Hoje também acontece a reunião especial do Conselho Europeu, que deve estar debater a pandemia de Covid, o meio ambiente e as relações entre o bloco e o Reino Unido.

As Bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta no primeiro dia da semana. O índice Shanghai, da China, subiu 0,31% no dia. O Hang Seng, de Hong Kong, caiu a 0,16% no fechamento e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em alta de 0,22%. No Japão, o índice Nikkei subiu 0,17%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: