Petrobras recebe ofertas por fatia em gasoduto, dizem fontes

O consórcio se prepara para apresentar uma oferta vinculante até o prazo de 5 de julho,.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Caetano Barreira/Reuters
Caetano Barreira/Reuters

Instalações de gás natural em Cubatão

Acessibilidade


Um consórcio da canadense Enbridge, da belga Fluxys e da empresa de private equity norte-americana EIG Global Energy Partners apresentou uma oferta não vinculante para o maior gásoduto de importação de gás natural do Brasil, disse três pessoas com conhecimento do assunto à “Reuters” esta semana.

A Petrobras colocou suas participações no gasoduto TBG de 2.593 km, que importa gás da Bolívia, e no gasoduto TSB, no extremo sul, à venda em dezembro, com ofertas não vinculantes esperadas até o final de abril.

LEIA TAMBÉM: FMI diz que fim da pandemia é possível a um custo de cerca de US$ 50 bilhões

O consórcio se prepara para apresentar uma oferta vinculante até o prazo de 5 de julho, mencionado como fontes, que pediram anonimato para discutir assuntos privados. Não ficou claro se houve outras ofertas pelos ativos, que devem render bilhões de dólares.

Se o consórcio for bem sucedido, isso marcará a primeira incursão da Enbridge na América do Sul. A empresa com sede em Calgary movimenta cerca de 25% do petróleo produzido na América do Norte e quase 20% do gás natural consumido nos Estados Unidos, de acordo com seu site.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Enbridge disse em uma nota que não “responde a especulações ou rumores do mercado”.

Petrobras, EIG e Fluxys não responderam aos pedidos de comentários.

A transação também representa um passo significativo no processo de desinvestimento da Petrobras, que busca vender ativos não essenciais para reduzir sua dívida e aumentar seu foco na produção de petróleo em águas profundas.

A Petrobras já vendeu sua participação nas unidades de gasodutos TAG e NTS para consórcios liderados pela Engie e Brookfield Asset Management, respectivamente.

VEJA MAIS: Zona do euro está otimista com recuperação, mas receosa de ficar atrás de China e EUA

Nos últimos anos, o gás boliviano tem que enfrentar a concorrência crescente no Brasil do gás natural liquefeito (GNL) mais barato e importado por navios.

Nos últimos dois anos, participantes privados entraram no mercado de GNL do Brasil.

Enquanto a Petrobras detinha um quase monopólio do gás natural no Brasil até 2015, desde então vem vendendo ativos, em um movimento que está trazendo concorrência e mudando a dinâmica do mercado.

O TBG, formalmente Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil, administra o lado brasileiro do gasoduto conhecido como Gasbol.

O TBG passa por cinco Estados ao sul do Brasil, incluindo São Paulo, o mais rico e populoso.

O TSB, formalmente Transportadora Sulbrasileira de Gás, é um ativo bem menor – 50 km – administrando dois gasodutos no Rio Grande do Sul, próximo à fronteira com a Argentina.

LEIA TAMBÉM: Especialistas projetam forte valorização em ações da Eletrobras com capitalização

A Fluxys já detém uma participação minoritária no TBG, o que lhe dá direito de preferência no ativo, segundo fontes consultadas pela “Reuters”.

O grupo de infraestrutura de gás natural belga anunciou em janeiro que havia comprado a participação de 27,5% da EIG no TBG.

Na época, a EIG disse que a venda removeu os regulatórios para uma oferta potencial pelo controle acionário da Petrobras. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: