Governo bloqueia R$1,72 bi no Orçamento de 2022 para cumprir teto de gastos

Medida ocorre mesmo com menor projeção de rombo fiscal.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Governo central deve fechar 2022 com rombo de R$ 66,906 bilhões

Acessibilidade


O Ministério da Economia anunciou hoje (22) um bloqueio de R$ 1,72 bilhão no Orçamento de 2022 para evitar um descumprimento do teto de gastos, apesar de ter melhorado sua projeção para o déficit primário neste ano.

A previsão agora é que 2022 seja encerrado com um rombo fiscal para o governo central de R$ 66,906 bilhões, equivalente a 0,69% do Produto Interno Bruto (PIB), diante da perspectiva de maior arrecadação, conforme relatório bimestral de receitas e despesas.

LEIA TAMBÉM: Choque provocado por guerra pressiona inflação e BC abre margem para ajustar aperto

A Lei de Diretrizes Orçamentárias estabeleceu uma meta fiscal de déficit de R$ 170,5 bilhões para este ano. O Orçamento, porém, foi aprovado com a previsão de um rombo menor, de R$ 76,2 bilhões.

Pelas novas contas, o governo aumentou a projeção de receitas líquidas em R$ 41,97 bilhões, na comparação com o Orçamento aprovado, a R$ 1,686 trilhão. As despesas estimadas foram elevadas em R$ 32,71 bilhões no ano, a R$ 1,753 trilhão.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar do cenário mais positivo para as receitas federais, com aumento da sobra de recursos em relação à meta fiscal, o governo precisa respeitar o teto de gastos, que limita o crescimento das despesas à variação da inflação.

O relatório aponta, portanto, que a norma será cumprida após a limitação de R$ 1,72 bilhão. Essa necessidade, segundo a pasta, surgiu diante do aumento na estimativa de despesas, especialmente com subsídios e subvenções, que ficaram R$ 5,1 bilhões acima do previsto no Orçamento. Também houve alta de R$ 2,5 bilhões na conta de pessoal e encargos.

O bloqueio orçamentário para atender ao teto é diferente do mecanismo de contingenciamento, que é adotado quando há risco de descumprimento da meta fiscal. Na semana passada, o governo enviou ao Congresso um projeto para autorizar o bloqueio em caso de necessidade.

Ao longo do ano, se o Ministério da Economia revisar as contas e perceber que houve alteração dessa margem, o bloqueio poderá ser revertido ou ampliado.

Em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o Orçamento de 2022 já promovendo um veto de R$ 3,2 bilhões para recompor verbas de pessoal que estavam subestimadas.

O corte, naquele momento, foi muito inferior às estimativas anteriores do governo, já que cálculos da equipe econômica apontavam para uma necessidade de veto de até R$ 9 bilhões  para recompor gastos, incluindo verbas para a Receita Federal e outros órgãos.

Compartilhe esta publicação: