XP eleva projeção para inflação do Brasil neste ano em 1 ponto percentual, a 6,2%, com choque da Ucrânia

A projeção para a alta do IPCA em 2023 também subiu, de 3,25% para 3,80%.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes/ Reuters
Ricardo Moraes/ Reuters

A XP aumentou sua estimativa para a inflação por conta do choque de custos provocado pela guerra na Ucrânia

Acessibilidade


A XP aumentou sua estimativa para a alta do IPCA ao fim deste ano em 1 ponto percentual, a 6,2%, com o choque de custos provocado pela guerra na Ucrânia devendo intensificar a persistência da inflação elevada.

A projeção para a alta do IPCA em 2023 também subiu, a 3,80%, de 3,25% anteriormente — portanto, a casa agora vê inflação acima da meta também para o próximo ano.

VEJA TAMBÉM: Como a guerra entre Rússia e Ucrânia afeta o Brasil?

Os objetivos perseguidos pelo Banco Central são ​3,50% para este ano e 3,25% para o próximo.

“O mundo já vinha se defrontando com demanda aquecida e cadeias de produção desestruturadas… Neste sentido, o choque adicional de custos representado pela guerra na Ucrânia tem um efeito sobre a economia global ainda maior do que numa situação ‘normal'”, disse a XP em relatório de hoje (8), assinado por economistas e estrategistas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para o Brasil, o choque global significa inflação mais persistente, especialmente de alimentos e energia.”

Os preços do petróleo Brent foram a máximas desde 2008 ontem (7), enquanto commodities que influenciam o preço de alimentos para o consumidor, como o trigo, também têm disparado desde que a Rússia deu início à invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

Nesse contexto, o Banco Central do Brasil provavelmente precisará manter os juros altos por mais tempo para garantir a convergência da inflação à meta até 2024, disse a XP.

O time de economistas manteve projeção de que a taxa Selic chegará a 12,75% ao fim do atual ciclo de aperto monetário do Bacen, “mas entendemos agora que o espaço para cortes (de juros) virá apenas em 2023″, no primeiro trimestre. Em cenário anterior, a XP esperava que um ciclo de afrouxamento seria iniciado em dezembro deste ano.

Para o término de 2023, a XP revisou sua expectativa para o patamar da Selic a 8,25%, de 7,50%. “O patamar de 7,50%, que julgamos neutro, deverá ser atingido somente em 2024″, afirmaram os especialistas.

Câmbio

Apesar dos riscos geopolíticos que têm abalado os mercados internacionais, a XP melhorou sua previsão para a taxa de câmbio brasileira ao fim deste ano, a 5,20 por dólar. Anteriormente, a expectativa era de taxa de 5,70 por dólar.

“A alta das commodities, os juros internos elevados e a atratividade do Brasil vis-à-vis outros emergentes, como Turquia e Rússia, podem manter a tendência recente de apreciação do real”, disse a XP no relatório. A divisa brasileira acumula alta de 9,5% contra o dólar até agora em 2022, ostentando o melhor desempenho no período entre uma cesta de moedas globais.

“Por outro lado, os riscos ligados à guerra, à normalização monetária nos EUA e à incerteza fiscal doméstica tendem a manter os prêmios de risco elevados para ativos de risco brasileiros, como o câmbio”, ressalvou a equipe XP Macro.

O dólar era negociado em torno de R$5,08 reais hoje (8).

Compartilhe esta publicação: