XP tem alta de 4% em ativos sob custódia no 2° trimestre

Ainda assim, captação líquida total caiu para R$ 43 bilhões, em comparação aos R$ 75 bilhões de um ano antes

Reuters
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


A XP fechou o segundo trimestre com um total de R$ 846 bilhões em ativos sob custódia, 4% acima de um ano antes, segundo dados operacionais preliminares divulgados hoje (15).

O crescimento na comparação anual reflete uma captação líquida de R$ 174 bilhões e uma desvalorização de mercado de R$ 146 bilhões, disse a XP em comunicado.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Os mercados globais foram atingidos negativamente nos últimos meses por temores de recessão econômica, diante da elevação dos juros, especialmente nos Estados Unidos, para conter o avanço da inflação. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, acumula queda de cerca de 8,5% em 2022.

O cenário causou redução nas negociações em renda variável, o que impacta a XP. O volume financeiro médio diário no segmento ações na bolsa brasileira caiu 25,1% em junho frente ao mesmo período do ano passado, segundo dados divulgados pela B3 nesta semana.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nesse cenário, a XP teve captação líquida total de R$ 43 bilhões nos três meses encerrados em junho, queda ante os R$ 75 bilhões de um ano antes e dos R$ 46 bilhões do primeiro trimestre de 2022.

A companhia disse que a média de negociações diárias no varejo também recuou em relação a 2021, caindo a 2,3 milhões, de 2,7 milhões, ainda que tenha ficado estável ante os três meses encerrados em março, o que “reflete o cenário ainda desafiador para ações e futuros”, disse a XP.

A XP, cujas ações são listadas em Nova York, afirmou que sua base de clientes ativos cresceu 16% em doze meses, para 3,63 milhões, e 4% na comparação trimestral. A rede de agentes autônomos de investimento da empresa também inflou, alcançando 11,3 mil, 26% acima frente ao nível visto um ano antes.

Em crédito, a XP, que avança para ter um negócio bancário mais completo, viu a carteira de empréstimos subir 90%, para R$ 12,9 bilhões, contra o segundo trimestre do ano passado. O volume transacionado de cartões de crédito disparou 161% no período, para R$ 5,5 bilhões, enquanto os cartões ativos cresceram 185%, a 383 mil.

A XP anunciou em junho uma marca de banco de atacado, bem como oferta de conta digital, estratégia que contará com cartão de débito.

Os resultados financeiros completos da XP referentes ao segundo trimestre devem ser divulgados em 9 de agosto.

Compartilhe esta publicação: