Cibersegurança: entenda os perigos do ambiente digital

Tentativas de golpes cibernéticos aumentaram 63,5% no Brasil durante o primeiro semestre de 2020.

Juliana Andrade
Compartilhe esta publicação:
Bill Hilton/Getty Images
Bill Hilton/Getty Images

Crimes cibernéticos são aqueles cometidos por meio de dispositivos conectados à rede, como computadores e smartphones, e raramente visam causar danos aos aparelho físico, alvo do ataque

Acessibilidade


Termo de condição de uso, aceitação de cookies e permissão para acessar dados, fotos e localização nos aplicativos de celular: boa parte dessa movimentação que temos visto no Brasil no último mês em sites, redes sociais e aplicativos mobile indica os primeiros passos das empresas para se adequarem à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que está em vigor no Brasil desde setembro de 2020.

A vigência da lei e a pandemia de Covid-19 reacenderam um antigo debate que nem sempre chega a todos: as fraudes, os crimes cibernéticos e os perigos da exposição de dados.

VEJA TAMBÉM: Huawei vai revelar detalhes de sua tecnologia para mostrar que não representa risco de segurança

Segundo informações de um levantamento feito pela empresa especializada em soluções antifraude ClearSale, as tentativas de golpe cibernético aumentaram 63,5% no Brasil somente no primeiro semestre de 2020. O crescimento dos registros está diretamente ligado à crise sanitária, que impôs isolamento social e, consequentemente, atribuiu à população a necessidade de usar com mais afinco os meios digitais para realizar transações bancárias, fazer compras e se comunicar. Tal dado deixa claro o despreparo quando assunto é segurança digital.

Forbes

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um dos golpes mais comuns neste período de isolamento foi o da clonagem de WhatsApp por meio de perfis falsos dos SACs de grandes empresas nas redes sociais. Nestes casos, os criminosos identificam as companhias de e-commerce que registram aumento no volume de vendas durante a pandemia e cuja operação logística e canais de atendimento ao cliente não absorvem a totalidade de entregas e reclamações. Esse gargalo gera uma enxurrada de queixas por parte dos consumidores nas redes sociais das marcas. Tem-se aí o cenário perfeito. Com a promessa de resolver o problema do cliente, criminosos criam perfis falsos que se passam pelo SAC da empresa e fazem contato com o consumidor insatisfeito, solicitando dados – entre eles, o código de segurança que dá acesso ao WhatsApp. O resultado deste movimento são contas clonadas e usadas para aplicar golpes financeiros em conhecidos e familiares da vítima se passando por ela.

Outubro foi o mês internacional da segurança cibernética e mais importante do que saber como se proteger, é entender como os crimes digitais acontecem, já que é preciso primeiro compreender o problema para poder prevenir que ele aconteça e agir com rapidez caso seja a próxima vítima.

Segurança da informação x segurança cibernética

A segurança da informação é o conjunto de medidas que protegem dados de empresas e pessoas e o valor atribuído a eles. Tais medidas para manter informações seguras podem ser aplicadas em qualquer ambiente, físico ou virtual. Por exemplo: a segurança da informação das empresas pode passear por políticas internas que vetam profissionais de dar detalhes sobre projetos sigilosos ou divulgar o valor o salário de outros funcionários.

Desta forma, a segurança cibernética está contida na segurança da informação, e a diferença é que ela atua para que os dados estejam seguros e protegidos de danos causados por golpes ou vazamentos em território digital. “Segurança da informação é tudo que está relacionado à proteção de todo dado. Já a cibernética trabalha para manter as informações seguras dentro do espaço digital”, diz Rafael Pizzolato, diretor da empresa de soluções em TI Starti. “Quando eu tenho um dado físico, em uma folha de papel, a segurança da informação entra com processos para mantê-lo seguro. Agora, se eu faço o upload desse dado na nuvem, aí começa o papel da segurança cibernética, que também é parte da segurança da informação.”

O que caracteriza um crime cibernético

Os crimes cibernéticos são aqueles cometidos por meio de dispositivos conectados à rede, como computadores e smartphones, e raramente visam causar danos aos aparelho físico, alvo do ataque. O objetivo é obter vantagens com o sequestro de dados, como a cobrança pelo resgate, ou invadir sistemas para roubar informações que podem ser utilizadas para aplicar golpes e promover fraudes.

E AINDA: Check Point, Harvard e MIT oferecem cursos gratuitos de cibersegurança

Renato Opice Blum, economista e advogado especialista em direito digital da Opice Blum, Bruno e Vainzof Advogados, define que os crimes cibernéticos não estão restritos aos ataques e golpes. “É todo ato ilícito com o uso da internet. Pode ser a invasão de um sistema ou de um perfil, a prática de calúnia, injúria e difamação, falsificação, pornografia infantil, violações de direitos autorais, ameaças, extorções, clonagem de contas de WhatsApp, interceptação de comunicação, entre outros.”

Forbes

Os golpes são cometidos por dois tipos de perfis: os noobs ou os crackers. A diferença entre eles é o grau de instrução para as práticas criminosas.

Os crackers são altamente instruídos e com amplo conhecimento sobre segurança digital, mas suas motivações passam longe de manter ambientes seguros ou promover melhorias – suas habilidades são usadas exclusivamente para causar danos ou obter vantagens financeiras, por meio de métodos muitas vezes próprios e altamente estruturados. São o oposto dos hackers, que aplicam seu conhecimento em quebrar e acessar sistemas de segurança para diagnosticá-los e melhorá-los.

Já os noobs são os indivíduos que aproveitam oportunidades para aplicar golpes e obter vantagens ilícitas, mas sem o vasto conhecimento de um cracker. Muitas vezes estes criminosos fazem uso de ferramentas e táticas amplamente conhecidas e simples de serem aplicadas.

Engenharia social

A engenharia social não é uma tática exclusiva dos ataques cibernéticos, mas é uma constante nos crimes cometidos no espaço digital. Dentro das ilegalidades praticada na rede, ela consiste na manipulação psicológica da vítima a fim de que ela execute uma ação essencial para o sucesso da ação criminosa. É um processo de convencimento com interação humana entre as partes, onde o alvo raramente identifica que está sendo manipulado e enganado.

Renato Opice Blum define como prática de “estelionato”. Significa você enganar uma pessoa, usar uma armadilha para induzi-la ao erro e obter uma vantagem econômica.

LEIA AQUI: Quem é o novo bilionário de segurança em nuvem que surgiu com o aumento do home office

Criminosos que fazem uso da engenharia social podem apelar para a empatia, oferecer vantagens sem que você entenda o verdadeiro fim e até estudar as inclinações da vítima por meio de preferências e interações nas redes sociais para gerar identificação no discurso e garantir que a ação tenha mais chance de sucesso.

Despreparo

O rápido avanço das ferramentas e aplicativos oferece praticidade e desburocratiza processos que permitem economia de tempo para os usuários. Por outro lado, em proporção ainda maior, cresce o número de indivíduos mal intencionados e suas incontáveis técnicas de ataque que se reciclam e atualizam de acordo com as tendências comportamentais dos usuários no momento. A grande problemática, para além dos agentes maliciosos, é o despreparo e a falta de instrução dos usuários, que não acompanham, de forma satisfatória, as transformações e métodos para se manterem protegidos digitalmente.

Phishing

Forbes

Este é um dos golpes mais antigos das redes e o que mais afeta os brasileiros. É caracterizado como uma fraude que faz uso de engenharia social para obter informações privadas. Nela, o agente da ação se passa por um indivíduo ou organização acima de qualquer suspeita e envia links ou arquivos por e-mail, chat de redes sociais e SMS, a fim de “pescar” a melhor vítima no oceano de possibilidades e induzi-la a baixar documentos, clicar em um endereço e executar uma ação danosa. As redes sociais facilitam esse processo com informações sobre as vítimas. Dados da Kaspersky apontam que o Brasil registrou aumento de 231,5% nos casos de phishing durante o quatro trimestre de 2019, com maior número de registros de ataques em novembro (2.908) e dezembro (3.123), período das compras de fim de ano e Black Friday.

Forbes

O phisher pode se apresentar como sites falsos de instituições bancárias, entidades governamentais, recrutadores profissionais e até SACs de lojas onde a vítimah tem um processo de compra em andamento. “O phishing é quando você recebe uma mensagem que pode direcionar para um site malicioso ou um anexo que pode acarretar na instalação de um vírus. Também existe a técnica das mensagem que solicitam códigos e pode levar à clonagem de contas de WhatsApp, por exemplo”, diz Rogério Guimarães, especialista em segurança cibernética e diretor de tecnologia e inovação na Crowe, oitava maior rede global de auditoria e consultoria.

Spam e phishing são coisas diferentes. Enquanto o spam é apenas lixo eletrônico e anúncios indesejados que não pretendem prejudicar o destino, o phishing busca roubar informações e usá-las contra a própria vítima.

Roteadores: dormindo com o inimigo

Forbes

Não há paz nem em casa. Um vilão, quando não usado adequadamente e de quem pouco se fala, é o roteador doméstico de internet. Sim, o aparelho que distribui a internet pela sua casa e garante conexão sem fio à rede para todos os aparelhos conectados e dentro de um raio de alcance. Um roteador vulnerável a ataques cibernéticos coloca em risco todos os equipamentos alimentados por ele.

Forbes

SAIBA MAIS: Zoom compra serviço de mensagens Keybase para melhorar segurança na plataforma

Um dos pontos sensíveis do roteador é o recurso WPS (do inglês Wi-Fi Protected Setup), que permite o acesso rápido de dispositivos à rede com apenas um clique, sem o uso da senha configurada. Esta função, quando habilitada, grava uma chave fraca de oito caracteres no roteador e isso torna mais fácil para o cracker descobri-la por meio de um ataque de força bruta — existem programas disponíveis na web que facilitam a exploração dessa vulnerabilidade. Segundo levantamento da Kaspersky, o roubo de senhas na modalidade de força bruta cresceu 60% no Brasil em 2019 e 940 mil pessoas foram alvo de coleta de senha por meio de malware — programas, códigos ou softwares maliciosos. Rumo ao precipício dos ataques, a pesquisa ainda diz que 44% dos brasileiros compartilham chaves e credenciais digitais.

Forbes

Outra vulnerabilidade são as senhas fracas. Uma vez descoberta a chave de segurança, o criminoso pode alterar os endereços dos servidores DNS (do inglês Domain Name System) do roteador, que é usado para acessar sites. A partir da nova configuração estabelecida, todas as ações executadas são enviadas para o DNS do invasor.

Quanto valem seus dados

Tudo e nada. O valor dos seus dados depende do uso feito pelo criminoso que os interceptou. Entretanto, quando o roubo de informações acontece no âmbito empresarial, isso pode representar um enorme prejuízo financeiro e até paralisação das operações.

Forbes

O acesso a dados pessoais, por exemplo, como já comentado anteriormente, é um prato cheio para que criminosos possam obter vantagens financeiras e até usar a vítima como testa de ferro em novos golpes. Em análise, a CyberRisck Analytics aponta que os vazamentos de dados expuseram 4,1 bilhões de dados no primeiro semestre de 2019 no mundo.

Quando os vazamentos acontecem no ambiente corporativo, os prejuízos partem dos gastos para reparar o dano (que poderia ter sido prevenido se a segurança da informação fosse priorizada) a pedidos de resgate por parte dos sequestradores e até processos judiciais por clientes que tiveram suas informações vazadas.

Opice Blum comenta que a “invasão simples de sistema com obtenção de dado pode incorrer no artigo 154 do código penal, como uma alteração da lei Carolina Dieckmann. É um crime que pode gerar um ano de detenção. Mas se juntarmos à penalidade da LGPD e do Código de Defesa do Consumidor, esses valores podem aumentar para 2% do faturamento da empresa que teve os dados vazados, com limite de R$ 50 milhões em multa. As penas de violação do Código de Defesa do Consumidor pode chegar a R$ 10 milhões”. Segundo a Serasa Experian, 85% das empresas brasileiras não estão preparadas e adequadas à LGPD.

VEJA TAMBÉM: Especialistas em segurança cibernética dos EUA veem salto na espionagem digital chinesa

Os sequestros de dados, em particular, acontecem com a invasão do sistema e criptografia das informações. Uma vez criptografadas e com o backup defasado, as empresas ficam com suas operações rendidas e paralisadas até que o dano possa ser reparado.

Rafael Torres, gestor de segurança da informação do Grupo Epicus, empresa de consultoria em contabilidade e compliance, diz que a companhia passou por uma tentativa de ataque que foi rapidamente contida pela equipe interna de TI. “Um funcionário recebeu um e-mail de um cliente com um documento malicioso e o abriu. Aí entra o fator humano que não julga haver um problema, visto que a relação entre cliente e prestador de serviço é de confiança. Detectamos o ataque quando o funcionário, que estava trabalhando de forma remota e sem acesso a dados sensíveis, chegou à empresa e teve sua máquina conectada à rede corporativa. Recebemos o aviso e o ataque não foi concluído. Formatamos o computador, atualizamos os sistemas e restabelecemos o serviço”, conta Torres, que pontua que o sucesso da contenção não é comum porque boa parte das empresas não encara a segurança da informação como uma cultura.

O executivo diz ainda que as companhias estão cada vez mais suscetíveis a ataques cibernéticos à medida que a segurança de dados continua sendo classificada como um gasto e não um investimento e parte da rotina do negócio. “Elas investem em softwares e hardwares que auxiliam na operação, mas não em treinamento de pessoal sobre como tratar o dado e agir diante de situações de vulnerabilidade – o preparo precisa ser a primeira coisa a ser implantada. As empresas precisam entender que toda informação tem importância para o negócio.”

Forbes

Ainda sobre a importância da cultura interna das empresas de proteger e tratar dados, em pesquisa, o Gartner prevê que os gastos em segurança cibernética devem chegar a US$ 133,7 bilhões no mundo em 2022. Na contramão da prevenção, um levantamento da Cybersecurity Ventures aponta que os danos dos crimes digitais podem atingir mundialmente US$ 6 trilhões ao ano até 2021.

Forbes

Dentro da temática de custo e investimento, Pizzolato conclui: “Estamos vivendo uma transformação digital ainda mais acelerada e não podemos conceber isso sem segurança na área de tecnologia, que também envolve estratégia de negócio, continuidade e gestão. Os usuários já privilegiam empresas que buscam proteger o dados e quem se adequar a isso vai conseguir avançar mais rápido no mercado e evitar dores de cabeça e prejuízos muito maiores no futuro”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: