Twitter descobre que tecnologia de inteligência artificial tende a cortar homens e negros de fotos

A pesquisa realizada por três pesquisadores de aprendizado de máquina da companhia determinou que mulheres e pessoas brancas são favorecidas pelo algoritmo.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Kacper Pempel/Reuters
Kacper Pempel/Reuters

A pesquisa descobriu uma diferença de 8% em paridade demográfica favorável a mulheres e de 4% favorável a indivíduos brancos

Acessibilidade


O algoritmo de corte de imagens do Twitter tem um comportamento tendencioso que exclui negros e homens de fotos, afirmou a companhia hoje (19), acrescentando que a descoberta indica que o corte de imagens é uma decisão melhor tomada pelas pessoas.

O estudo realizado por três pesquisadores de aprendizado de máquina da companhia foi conduzido depois de críticas no ano passado sobre prévias de imagens publicadas em posts que excluíram os rostos de pessoas negras.

LEIA MAIS: Tecnologia reduz em até 80% os tremores de pacientes com mal de Parkinson

A pesquisa descobriu uma diferença de 8% em paridade demográfica favorável a mulheres e de 4% favorável a indivíduos brancos.

O levantamento citou várias causas possíveis, incluindo questões envolvendo os fundos das imagens e cor dos olhos, mas afirmou que nenhuma delas é uma desculpa para o problema.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O corte de imagens baseado em tecnologia de aprendizado de máquinas está fundamentalmente falho porque restringe a expressão da própria identidade e valores do usuário, em vez de impor um olha normativo sobre que parte da imagem pode ser considerada mais interessante”, escreveram os autores da pesquisa.

Para resolver o problema, o Twitter recentemente começou a mostrar fotos em proporção padrão na íntegra – sem qualquer corte – em seus aplicativos móveis e está tentando expandir essa iniciativa.

Os pesquisadores também avaliaram se os recortes nas imagens favoreceram o corpo das mulheres em vez de seus rostos, refletindo o que é conhecido como “olhar masculino”, mas concluíram que não é o caso. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: