Investidores pedem abordagem ética no uso de tecnologia de reconhecimento facial

Defensores dos direitos humanos dizem que a ferramenta pode ser usada por governos para rastrear cidadãos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Damir Sagolj/Reuters
Damir Sagolj/Reuters

O grupo afirmou em comunicado que a tecnologia pode infringir os direitos de privacidade de um indivíduo

Acessibilidade


Um grupo de 50 investidores que gerenciam mais de US$ 4,5 trilhões está convocando empresas de desenvolvimento e uso de tecnologia de reconhecimento facial, como Amazon e Facebook, a fazê-lo de maneira ética.

O grupo, liderado pela gestora de ativos Candriam, divisão europeia da empresa norte-americana New York Life, afirmou em comunicado que a tecnologia pode infringir os direitos de privacidade de um indivíduo, dada a falta de consentimento dos identificados. E que muitas vezes não há supervisão oficial.

LEIA TAMBÉM: 6 casos em que a implementação da inteligência artificial foi um fiasco

Defensores dos direitos humanos dizem que a tecnologia de reconhecimento facial, usada para desbloquear smartphones e verificar contas bancárias, também pode ser usada por governos para rastrear cidadãos e suprimir dissidentes políticos.

O grupo de investidores disse que iniciará um engajamento de dois anos com empresas que desenvolvem ou usam a tecnologia, incluindo 34 líderes em reconhecimento facial, incluindo Amazon, Facebook, Alibaba e Huawei.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Amazon disse no mês passado que estava estendendo uma moratória imposta ao uso policial de sua tecnologia de reconhecimento facial. Grupos de liberdades civis alertaram que o uso impreciso dela pode levar a prisões ilegais.

O mercado de tecnologia de reconhecimento facial deve crescer para cerca de US$ 10 bilhões, disse Candriam em um relatório publicado em março.

Entre os que aderiram à iniciativa estão a britânica Aviva Investors, a Royal London Asset Management, a canadense BMO Global Asset Management, a holandesa NN Investment Partners e a norueguesa KLP.

O órgão de vigilância da privacidade da União Europeia disse em abril que a tecnologia deveria ser proibida na Europa por causa de sua “intrusão profunda e não democrática” na vida privada das pessoas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: