6 tendências de treinamento virtual para 2022

Estudo da pesquisadora Cindy Huggett mostra os impactos da pandemia nos cursos à distância, formato e duração das aulas, além de novas tecnologias a serem empregadas.

Andressa Barbosa
Compartilhe esta publicação:
Homem mexendo em um notebook
Homem mexendo em um notebook

A The State of Virtual Training foi feita com várias lideranças ao redor do mundo para mapear as mudanças nas dinâmicas de ensino virtual (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


A pesquisadora Cindy Huggett, especialista em Treinamento Virtual, realizou pelo quarto ano consecutivo uma pesquisa global sobre o assunto com líderes de diversas organizações. A The State of Virtual Training visa analisar as melhores práticas, percepções e recomendações sobre cursos à distância ao redor do mundo. A pesquisa do ano de 2022 teve mais de 700 participantes e foi feita durante o período de julho a outubro de 2021 destacando algumas tendências de tecnologia e comportamento, além do impacto da pandemia nas dinâmicas. Tatiany Melecchi, mestre em marketing pela Massey University, comenta os principais pontos da pesquisa que determinam o futuro dos treinamentos.

O pós-Covid-19

“Cerca de 91% dos entrevistados disseram que as organizações onde trabalham têm aplicado mais treinamento virtual nos últimos dois anos devido ao isolamento social causado pela pandemia. De acordo com pesquisas recentes da Association for Talent Development, 88% das organizações planejam manter os mesmos níveis de investimentos com treinamento virtual no ano de 2022. Baseada nestas pesquisas, a autora conclui que “o treinamento virtual continuará sendo um método de aprendizagem de escolha para a maioria das organizações”, destaca Tatiany.

LEIA TAMBÉM: Trabalho híbrido: como garantir promoções justas

Duração das aulas

“As aulas virtuais permaneceram com duração de 60 minutos, no entanto, cerca de 29% dos participantes disseram que os treinamentos virtuais têm mais de duas horas de duração. Nesses casos, a pesquisadora indica que para melhorar os resultados de aprendizagem e engajamentos dos participantes os workshops presenciais devem ser transformados e reorganizados quando transferidos para a modalidade on-line.”

Quantidade ideal de participantes

A pesquisa aponta que 83% das aulas virtuais ainda têm menos de 25 participantes. E apenas 7% têm mais de 50. “Só porque você pode colocar mais pessoas em uma sala de aula virtual, não significa que você deve. O número certo de participantes depende dos resultados do programa que está tentando alcançar”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Eva Katalin/Getty Images
Eva Katalin/Getty Images

O uso de realidade virtual para treinamentos já é uma realidade, mas ainda muito restrita a poucas aplicações (Crédito: Getty Images)

Tempo de Desenvolvimento

Pesquisa feita no início deste ano, atualizada por Robyn Defelice, consultora e estrategista de aprendizagem, apontou que o tempo de desenvolvimento em uma hora de treinamento virtual interativo chega a 55 horas total de um programa. No ano de 2009, a carga horária era de 69 horas, e no ano de 2017 , foi para 28 horas. 

LEIA TAMBÉM: Como funciona o primeiro curso em VR da Stanford University?

Plataformas e ferramentas

As plataformas e ferramentas virtuais estão se atualizando em um ritmo sem precedentes, adicionando novos recursos e ferramentas para interação. A pesquisa revelou que os seguintes aplicativos tiveram bons resultados na visão dos participantes:

  • Zoom – 65%
  • Microsoft Teams – 51%
  • WebEx – 29% 
  • Adobe Connect – 14%
  • GoToTraining – 14%
  • Kahoot – 24%
  • Poll Everywhere – 23%
  • Mentimeter – 22%
  • Miro – 13%
  • Mural – 9%
  • Jamboard – 7%

Futuro do Treinamento Virtual

Com as possibilidades de expansão do Metaverso, a autora acredita que é o início de uma nova era do treinamento virtual, que terá cada vez mais experiências de aprendizagem imersivas. No entanto, o resultado desta pesquisa ainda apontou uma participação modesta dessas tecnologias, com apenas 7% dos participantes indicando que estão incorporando tecnologias imersivas, como realidade virtual (VR) e realidade aumentada (AR) em suas aulas virtuais. No entanto, com todo o hype e investimento massivo em Metaverso, os próximos anos parecem promissores para este espaço de aprendizagem.

Compartilhe esta publicação: