Primeira imagem de buraco negro no centro da Via Láctea é divulgada por cientistas

O buraco negro Sagitário A* é quatro milhões de vezes mais massivo que o nosso Sol.

Jamie Carter
Compartilhe esta publicação:
EHT Collaboration/National Science Foundation
EHT Collaboration/National Science Foundation

O buraco negro Sagitário A* é quatro milhões de vezes mais massivo que o nosso Sol.

Acessibilidade


A primeira imagem do buraco negro supermassivo no centro da nossa galáxia foi publicada pelo Event Horizon Telescope (EHT). Ele vem da mesma equipe de mais de 300 cientistas internacionais que produziram a primeira imagem de um buraco negro em outra galáxia em 2019.

A dramática nova imagem do que os astrônomos chamam de Sagitário A* (pronuncia-se “Sagitário A-Estrela”) foi revelada hoje em uma conferência de imprensa na sede do Observatório Europeu do Sul (ESO), bem como em uma série de eventos simultâneos em todo o mundo após 10 dias de rumores e conjecturas sobre o que exatamente seria anunciado.

Você pode baixar a imagem incrível aqui e fazer uma viagem virtual ao coração da Via Láctea aqui.

Tirada usando uma rede de 11 telescópios em todo o mundo para produzir um telescópio do “tamanho da Terra”, a imagem na verdade não mostra o buraco preto em si, mas a sombra do horizonte de eventos em torno de Sagitário A* – daí o nome do EHT.

Leia mais: Veja a incrível nova foto de 83 megapixels do Sol, a melhor resolução até aqui

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um buraco negro é um lugar massivo e denso no espaço onde um campo gravitacional é tão forte que nem mesmo a luz pode sair. Um horizonte de eventos é o limite que marca os limites de um buraco negro, efetivamente sua superfície. É onde um objeto pode escapar da atração gravitacional do buraco negro. No entanto, além disso tudo está condenado.

Com esta imagem, o EHT completou o que se propôs a fazer em 2015. Os resultados estão sendo publicados hoje em uma edição especial do “The Astrophysical Journal Letters”.

“Essas observações sem precedentes melhoraram muito nossa compreensão do que acontece no centro de nossa galáxia e oferecem novos insights sobre como esses buracos negros gigantes interagem com seus arredores”, disse o cientista do projeto EHT Geoffrey Bower, do Instituto de Astronomia e Astrofísica. Academia Sinica, Taipei.

O que é Sagitário A*?

É o buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea, a nossa galáxia. Tem cerca de 35 milhões de quilômetros de diâmetro e uma poderosa fonte de ondas de rádio.

Foi descoberto pela primeira vez em 1974, mas até agora não tinha sido possível fotografá-lo. Espera-se que esta nova imagem ajude os astrônomos a estudar as propriedades da acreção e fluxo em torno do centro da nossa galáxia. Também irá aprofundar o estudo da física fundamental dos buracos negros.

ESO/José Francisco Salgado (josefrancisco.org), EHT Collaboration
ESO/José Francisco Salgado (josefrancisco.org), EHT Collaboration

Esta imagem mostra o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) olhando para a Via Láctea, bem como a localização do buraco negro supermassivo Sagitário A*

Onde está Sagitário A*?

Cerca de 27.000 anos-luz de distância de nós, Sagitário A* está perto da fronteira das constelações de Sagitário (o Arqueiro) e Escorpião (o Escorpião). Está naquela faixa preta e empoeirada na imagem acima da Via Láctea. No entanto, a imagem de hoje fornece a primeira evidência visual direta disso.

O que é o EHT?

O projeto Event Horizon Telescope (EHT) cria imagens de buracos negros. Ele usa uma rede global de observatórios de rádio em uníssono para criar efetivamente um telescópio do tamanho da Terra.

“O brilho e o padrão do gás em torno de Sgr A* estavam mudando rapidamente à medida que o EHT estava observando – um pouco como tentar tirar uma foto clara de um filhote perseguindo rapidamente seu rabo”, disse o cientista do EHT Chi-kwan (‘CK’) Chan, do Steward Observatory and Department of Astronomy e do Data Science Institute da Universidade do Arizona.

A imagem final do buraco negro Sgr A* é uma média das diferentes imagens que a equipe extraiu usando os 11 telescópios do EHT ao redor do mundo.

E a imagem anterior do buraco negro?

National Science Foundation via Getty Images

Em 2019, o EHT divulgou a primeira imagem de um buraco negro no centro da galáxia elíptica supergigante M87, que fica na constelação de Virgem

Em 2019, o EHT divulgou a primeira imagem de um buraco negro no centro da galáxia elíptica supergigante M87, que fica na constelação de Virgem. Ele revelou uma estrutura brilhante em forma de anel com uma região central escura – a sombra do buraco negro.
O segundo maior buraco negro visto da Terra, é cerca de 1.000 vezes maior que o buraco negro da Via Láctea, mas 2.000 vezes mais distante.

A imagem inicial publicada em 2019 foi atualizada em 2021 para incluir a luz polarizada ao redor do buraco negro M87.

Buraco negro frente a frente: Sagitário A* vs. M87

No entanto, os dois buracos negros fotografados pelo EHT são muito diferentes. Nosso próprio buraco negro Sagitário A* é mais de mil vezes menor que o buraco negro no centro da galáxia M87.

Existem diferenças e semelhanças entre os dois buracos negros. “O gás nas proximidades dos buracos negros se move na mesma velocidade – quase tão rápido quanto a luz – em torno de Sgr A* e M87*”, disse Chan. “Mas onde o gás leva dias ou semanas para orbitar o maior M87*, no muito menor Sgr A* completa uma órbita em poucos minutos.”

“Temos dois tipos completamente diferentes de galáxias e duas massas de buracos negros muito diferentes, mas perto da borda desses buracos negros eles parecem incrivelmente semelhantes”, disse Sera Markoff, co-presidente do EHT Science Council e professor de astrologia teórica da Universidade de Amsterdã, Holanda. “Isso nos diz que a Relatividade Geral governa esses objetos de perto, e quaisquer diferenças que vemos mais longe devem ser devido a diferenças no material que circunda os buracos negros”.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: