Novas fotos de Webb mostram Júpiter como nunca antes visto

Telescópio espacial foi capaz de capturar detalhes minuciosos do planeta gigante, suas luas e anéis

Jamie Carter
Compartilhe esta publicação:
Nasa, ESA, CSA, e STSCI
Nasa, ESA, CSA, e STSCI

Júpiter, no centro, e sua lua Europa, à esquerda, são vistos através do Telescópio James Webb

Acessibilidade


Dias depois de lançar suas primeiras cinco novas e deslumbrantes imagens, o revolucionário Telescópio Espacial James Webb (JWST) produziu uma imagem incrível do planeta Júpiter, suas luas e até mesmo seus anéis.

Estamos acostumados a ver closes de cair o queixo a cada seis semanas da espaçonave Juno da Nasa atualmente em órbita, mas as capturas de Webb são algo novo.

A imagem acima fazia parte dos dados Webb divulgados no Arquivo Mikulski para Telescópios Espaciais do Space Telescope Science Institute. Também foram incluídas imagens das luas do planeta e até de seus anéis delicados, capturadas para testar os instrumentos do telescópio antes que as operações científicas começassem oficialmente em 12 de julho de 2022.

Leia mais: Quando, onde e como ver o cometa gigante K2

A imagem de Júpiter do instrumento NIRCam de Webb (imagem principal, acima) mostra três objetos e características incríveis dentro e ao redor do planeta gigante:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  1. Uma das luas de Júpiter: Europa

Facilmente vista à esquerda está Europa, uma lua que se acredita ter um oceano abaixo de sua espessa crosta gelada que poderia abrigar vida. A sombra de Europa pode ser vista à esquerda da Grande Mancha Vermelha. Outras luas visíveis nestas imagens incluem Tebe e Métis.

A missão Europa Clipper da NASA será lançada em outubro de 2024 e chegará no final de 2027 para realizar cerca de 45 sobrevoos, em cada passagem fotografando a superfície gelada da lua em alta resolução. Pode ajudar a melhorar as estimativas de oxigênio e outros ingredientes para a vida na lua gelada. Enquanto isso, o JUpiter ICy moons Explorer (JUICE) da Agência Espacial Europeia será lançado em maio de 2022, chegará em 2029 e levará três anos e meio para examinar Europa, bem como duas das outras luas galileanas de Júpiter, Ganimedes e Calisto.

  1. A tempestade ‘Grande Mancha Vermelha’

A Grande Mancha Vermelha é uma tempestade de 400 anos que costumava ter o dobro do tamanho da Terra. Rolando no sentido anti-horário entre duas faixas de nuvens que se movem em direções opostas em sua direção, ela ainda é, de longe, a maior do sistema solar. Seus ventos são tão rápidos quanto 680 quilômetros por hora. O ponto icônico aparece em branco nesta imagem devido à maneira como a imagem infravermelha de Webb foi processada.

  1. Bandas em suas nuvens

O filtro de comprimento de onda curto do instrumento NIRCam mostra bandas distintas que rodeiam o planeta. 

No entanto, outra imagem mostra algo ainda mais espetacular:

Júpiter tem anéis!

Nasa, ESA, CSA, e STSCI
Nasa, ESA, CSA, e STSCI

Júpiter e algumas de suas luas – e seus anéis – são vistos através do filtro de 3,23 mícrons da NIRCam

A imagem acima do filtro de comprimento de onda longo NIRcam do Webb também revela os anéis do planeta gigante – assim como o famoso “planeta anelado” Saturno. Isso é conhecido desde 1979, quando a espaçonave Voyager 1 da NASA os fotografou, mas raramente são capturados. Dados da espaçonave Galileo, que orbitou Júpiter de 1995 a 2003, confirmaram que esses anéis foram criados por impactos de meteoróides em pequenas luas próximas.

Leia mais: Conheça a primeira agência de viagens para planetas distantes da Nasa

Os anéis de Júpiter aparecerem em uma das primeiras imagens do sistema solar de Webb é “absolutamente surpreendente e incrível”, disse Stefanie Milam, vice-cientista do projeto de Webb para ciência planetária no Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Maryland. “Não pude acreditar que vimos tudo tão claramente, e quão brilhantes eles são… é realmente emocionante pensar na capacidade e oportunidade que temos para observar esses tipos de objetos em nosso sistema solar.”

Mais duas novas vistas de Júpiter

Essas duas novas visões de Júpiter através de dois filtros diferentes mostram ainda mais luas:

Nasa, ESA, CSA, e STSCI

Acima, à esquerda: Júpiter, centro, e suas luas Europa, Thebe e Metis são vistos através do filtro de 2,12 mícrons do instrumento NIRCam do Telescópio Espacial James Webb.

Acima, à direita: Júpiter e Europa, Tebe e Métis são vistos através do filtro de 3,23 mícrons da NIRCam.

Quão significativas são as primeiras imagens de Júpiter de Webb?

“Combinadas com as imagens de campo profundo divulgadas no outro dia, essas imagens de Júpiter demonstram a compreensão completa do que Webb pode observar, desde as galáxias observáveis ​​mais fracas e distantes até planetas em nosso próprio quintal cósmico que você pode ver a olho nu de seu quintal”, disse Bryan Holler, cientista do Space Telescope Science Institute em Baltimore, que ajudou a planejar essas observações.

“As imagens de Júpiter nos filtros de banda estreita foram projetadas para fornecer boas imagens de todo o disco do planeta, mas a riqueza de informações adicionais sobre objetos muito fracos (Metis, Thebe, o anel principal, neblinas) nessas imagens com aproximadamente exposições de um minuto foram absolutamente uma surpresa muito agradável”, disse John Stansberry, cientista do observatório e líder de comissionamento do NIRCam no Space Telescope Science Institute.

A foto de Júpiter de 4 de setembro de 2021 do Hubble mostra a paisagem em constante mudança de sua atmosfera turbulenta, onde várias novas tempestades estão deixando sua marca, e o ritmo das mudanças de cor perto do equador do planeta continua surpreendendo os pesquisadores.  

O retrato de Júpiter mais recente do Hubble

Nasa, ESA, e STSCI
Nasa, ESA, e STSCI

A foto de Júpiter de 4 de setembro de 2021 do Hubble

A cada ano, o Telescópio Espacial Hubble – que continua sendo de importância crítica apesar da “primeira luz” de Webb – emite uma imagem de Júpiter e Saturno tirada como parte de seu programa Outer Planet Atmospheres Legacy (OPAL). Normalmente, as imagens dos dois planetas externos gigantes são captadas quando atingem “oposição”, que é a data em que a Terra está entre esse planeta e o Sol.

A oposição é quando cada planeta está no seu melhor, maior e mais brilhante momento, nascendo no leste ao anoitecer e sentado no oeste ao amanhecer.

Júpiter atingirá a oposição em 26 de setembro, com Saturno fazendo isso muito em breve em 14 de agosto de 2022. Os próximos close-ups de Júpiter da espaçonave Juno da Nasa devem ocorrer logo após seu próximo sobrevoo em 19 de agosto de 2022.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: