Eletricidade gerada da biomassa de cana entra na rota dos contratos para salvar país da falta de energia

O cenário ocorre diante de uma crise hídrica que tem pressionado o nível dos reservatórios das hidrelétricas do Brasil.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Levantamentos apontaram que centrais movidas a biomassa principalmente de bagaço de cana poderiam gerar 1.249 GWh

Acessibilidade


O Ministério de Minas e Energia deve realizar em breve uma licitação para fechar a compra da produção de usinas de geração de eletricidade movidas à biomassa, o que ocorre diante de uma crise hídrica que tem pressionado o nível dos reservatórios das hidrelétricas do Brasil.

A informação foi confirmada hoje (11) pela pasta, após a Reuters ter publicado ontem (10) que usinas de cana-de-açúcar vinham conversando com membros do governo sobre medidas que poderiam permitir uma maior geração de energia em suas instalações, com vistas a apoiar o sistema elétrico.

LEIA MAIS: Biomassa das usinas de cana pode gerar mais energia e amenizar efeitos da crise hídrica

“A previsão é de que a portaria de consulta pública das diretrizes do leilão de contratação de biomassa seja publicada até o final deste mês”, disse o ministério em nota.

Levantamento da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) e da Cogen (Associação da Indústria de Cogeração de Energia) apontou que centrais movidas a biomassa principalmente de bagaço de cana poderiam gerar 1.249 GWh (gigawatts-hora) adicionais em energia entre julho e dezembro de 2021 e mais que o dobro disso em 2022 com medidas de incentivo do governo, como um leilão emergencial para compra da produção extra. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: