O que Bond, James Bond, tem a ver com o agro

Conheça a história de pratos e bebidas que aparecem em Diamonds Are Forever, o mais famoso filme do agente secreto 007.

John Mariani
Compartilhe esta publicação:
Guettyimages
Guettyimages

O ator Sean Connery foi o mais famoso James Bond da história do cinema

Acessibilidade


O ator britânico Sean Connery foi o mais famoso James Bond. Mas o que os filmes de 007, número do agente secreto na ficção, tem a ver com o agro? No caso das histórias em Connery atuou, comidas e bebidas fazem parte do enredo, mostram a procedência e acendem a nossa vontade por esses alimentos. E, claro, por trás de todo alimento tem um produtor rural. Confira o que John Mariani, jornalista e autor de 15 livros, um dos críticos mais respeitados nos EUA, “descobriu” em um dos filmes de Bond, o mais famosos do fictício agente secreto britânico:

Diamonds Are Forever (1956) foi o quarto romance de Ian Fleming, adaptado para a tela em 1971, estrelado por Sean Connery depois que ele deixou a série depois de You Only Live Twice. Fleming foi inspirado por uma história do Sunday Times sobre contrabando de diamantes, e isso lhe deu a oportunidade de enviar 007 para muitos locais onde ele teve um bom número de oportunidades para beber e jantar.

CONFIRA TAMBÉM: Sete filmes para contar histórias rurais

O enredo do livro envolve Bond se infiltrando no anel de contrabando Spangled Mob, em Serra Leoa, se passando por um contrabandista. Lá, ele conhece Tiffany Case, membro de gangue cujo ódio por todos os homens se deve ao estupro coletivo que ela sofreu na adolescência.

 Anwar Hussein/Gettyimages)
Anwar Hussein/Gettyimages)

Connery e a atriz americana Jill St. John relaxam, e aproveitam um picolé, no set do filme de ‘Diamonds Are Forever’, EUA, maio de 1971

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A ação se move para os EUA, quando Bond rastreia Serafino Spang, chefe da gangue, no Autódromo de Saratoga, no estado de Nova York, onde 007 é instruído a apostar em uma corrida de cavalos, manipulada, para receber seus honorários pelo contrabando de diamantes. Depois, ele viaja para Las Vegas para receber esse dinheiro, onde cruza Tiffany Case, então uma manipuladora em um jogo de blackjack.

Spang suspeita que Bond seja um espião e o sequestra, levando-o para sua propriedade privada chamada Spectreville, onde Bond é agredido antes que possa escapar em um vagão ferroviário, com Spang seguindo em um velho trem ocidental. Bond atira em Spang e, com Tiffany, segue para Nova York para embarcar no
RMS Queen Elizabeth.

A bordo, dois bandidos Spang, chamados Wint e Kidd, capturam Tiffany, mas Bond a resgata e mata os dois gângsteres. A história então retorna a Serra Leoa, onde Bond fecha o oleoduto de contrabando de diamantes e mata Spang em seu helicóptero.

Bond e seus maravilhosos caranguejos

No início da história, Bond está hospedado no The Ritz, em Londres, e leva seu colega do MI6, Bill Tanner, para um almoço de caranguejo vestido e um “pint of black velvet” no restaurante favorito de Fleming, o Scott’s. O pint of black velvet não é a marca de uísque com esse nome, mas uma mistura de stout, ale e champanhe.

 Topical Press Agency/Gettyimages)
Topical Press Agency/Gettyimages)

1º de junho de 1924: O mundialmente famoso Ritz Hotel, construído em Piccadilly, em Londres, em 1906

Enquanto espera para embarcar em seu voo BOAC para Nova York, do aeroporto de Shannon, na Irlanda, Bond saboreia um jantar de bife e champanhe, terminando com café irlandês, uma bebida originada em Foynes Dock, de onde durante a guerra os hidroaviões decolaram.

A mistura foi criada pelo chef Joe Sheridan em 1942 e apresentada como uma promoção para o uísque irlandês em Shannon, a partir de 1947. Foi introduzida nos EUA em 1952, no Buena Vista Bar de San Francisco.

Em Nova York, Bond janta no andar de cima com Felix Leiter no restaurante Sardi’s, do Theatre District, pedindo martinis e salmão da Nova Escócia, que Fleming chama de “um substituto ruim para o produto da Escócia”, seguido por “brizzola” (braciola, rolos de carne italianos), feito com um vermute californiano (“o melhor que já provei”, diz Bond) e meio abacate e café expresso.

Ben Martin/Gettyimages)
Ben Martin/Gettyimages)

Vincent Sardi Jr (1915–2007), owned and managed Sardi’s restaurant from 1947, taking over his father’s theater-district landmark famed for its caricatures of Broadway actors, June 1961

Um passeio pelo Veuve Clicquot

No dia seguinte, durante o almoço no ’21’ Club na West 52nd Street, Tiffany diz que não vai dormir com ele, declarando: “Vai demorar mais do que Crabmeat Ravigote para me levar para a cama. De qualquer forma, já que a conta é sua, vou querer o caviar e o que vocês chamam de costeletas inglesas e um pouco de champanhe rosa.

O Champagne é um Veuve Clicquot rosé, que apreciam com as costeletas de vitela, os aspargos com molho mousseline e os ferrões brancos (Conhaque e crème de menthe branco).

O sócio-proprietário do restaurante na vida real, Pete Kriendler, que com seu irmão e Charlie Berns abriu o ’21’ durante a Lei Seca, vem cumprimentar Tiffany como um cliente regular, e ela brinca dizendo que a sua “pequena barraca de cachorro-quente não está indo muito bem”.

Tiffany, de fato, pega o cheque inexplicavelmente, mas quebra sua promessa de ficar fora da cama de Bond, depois dizendo a ele que nunca dormiu com um homem após o incidente de estupro coletivo.

No dia seguinte, Bond janta sozinho no Voisin, na Park Avenue, então um dos restaurantes franco-vienenses mais luxuosos de Nova York, pedindo dois martinis de vodka, ovos Benedict e morangos. No capítulo seguinte, Bond parte com Leiter para Saratoga, parando no caminho para almoçar no Chicken in the Basket, na Taconic Parkway, uma “truta fresca da montanha” que “passou meses em algum congelamento distante”, em vez de pedir ovos mexidos com torradas de centeio e café gelado.

Minha vida por bifes e torradas

Em Saratoga, ele se hospeda no Sagamore Hotel, baseado no original Pavilion Hotel, construído em 1819, que foi o mais opulento de seu tempo. (Há um Sagamore Resort no Lago George, mas fica a 60 milhas de Saratoga Springs.) Bond dá um passeio pela cidade e faz uma parada para dois bourbons e um jantar de frango frito, de apenas US$ 4,50.

Naquela noite, ele se junta a Felix no restaurante Pavilion, do hotel, para uma refeição de lagostas e martinis feitos com vermute branco Cresta Blanca. Bond também pede um bourbon com “água de ramal”, supostamente água muito pura de um riacho, que Bond observa não estará disponível em Las Vegas (embora mais tarde um barman de Las Vegas lhe assegure que ele desfruta regularmente de água de ramal no Boulder Dam!)

 Kirk McKoy/Los Angeles Times/Gettyimages
Kirk McKoy/Los Angeles Times/Gettyimages

O Beverly Hills Hotel completa 100 anos no sábado, 12 de maio. Foi o lar de inúmeros ícones de Hollywood, como Marilyn Monroe e Howard Hughes

Quando a ação muda para Las Vegas, 007 faz check-in no fictício Tiara Hotel, pedindo à beira da piscina um prato de mariscos de cerejeira e um bife. Após sua fuga com Tiffany, de Spang, eles seguem para o Beverly Hills Hotel, o famoso “Palácio Rosa” inaugurado em 1912 para estrelas e cineastas da indústria de Hollywood, mas logo devem partir para o aeroporto para voar durante a noite em um Trans-World Airlines Super -G Constellation, Vôo 93. Ao chegar em Nova York, embarcam alegremente na “grande e segura barriga negra” do Queen Elizabeth.

Tiffany sofre de enjoo no mar, mas na terceira noite, Bond a encontra para tomar martínis no Observation Bar, e eles planejam jantar no Verandah Grill. Ela ainda insiste que o inglês está atrás das “jóias de sua família”, enquanto bebem vodka martinis, e ela pergunta: “me diga que tipo de mulher você acha que acrescentaria a você”. Bond responde: “Alguém que pode fazer molho Béarnaise, além de fazer amor”, fazendo com que ela peça a ele para levá-la para sua cabine.

Sunset Boulevard/Corbis/Gettyimages)
Sunset Boulevard/Corbis/Gettyimages)

O ator Sean Connery e a atriz Lana Wood no set de Diamonds Are Forever

Quando estão no aposento, um garçom traz um quarto de garrafa de champanhe Bollinger, um rechaud com quatro fatias de bife na torrada, uma tigela pequena de molho Béarnaise e um bilhete que diz: Este molho Béarnaise acaba de ser criado pela Srta. T. Case sem nenhuma ajuda minha. Assinado, O Cozinheiro.”

Vinhos na trilha de Bond

Não há nada perto do número de menções de comida e bebida no filme de 1971 de Diamonds Are Forever, cujo enredo difere radicalmente do romance e ocorre em 1970, com referências ao pouso da Apollo na lua. Em termos de localização, Bond conhece o traficante Plenty O’Toole na Whyte House, de propriedade do personagem Willard Whyte, no filme interpretado por Jimmy Dean (filmado no The Riviera, embora a fachada do hotel fosse na verdade o Las Vegas International Hotel, mais tarde o Hilton). Muitos são jogados na piscina abaixo da suíte de Bond por três capangas. Bond estava hospedado no The Tropicana, mas depois se muda para a suíte de Tiffany, na Whyte House. Há, porém, três incidentes importantes no filme envolvendo o conhecimento de Bond sobre o vinho.

Na primeira, 007 está com seu chefe M e Sir Donald Munger para discutir as operações de contrabando sul-africanas. Munger entrega a Bond um copo de Sherry, mas M se recusa por “razões de saúde”. Bond cheira o Sherry e diz: “Que pena do seu fígado, senhor. É uma Solera excepcionalmente boa, 51, eu acho.” M bufa: “Não há anos para Sherry, 007”, ao que Bond responde: “Eu estava falando sobre o Sherry original em que se baseia. . . 1851.”

LMPC/Gettyimages
LMPC/Gettyimages

Diamonds Are Forever, pôster, Sean Connery, 1971

A observação sarcástica de Bond refere-se ao fato de que Sherries são feitos a partir de uma mistura de vários lotes de barris de uma colheita, empilhados em camadas, para serem misturados com outros vinhos mais antigos. Então, Bond está se referindo à colheita de 1851, uma demonstração de seu conhecimento quase impossível para qualquer um se igualar, mesmo no comércio de xerez.

O segundo caso é quando Bond visita Tiffany (Jill St. John) em seu apartamento em Amsterdã, se passando por um contrabandista que ela está esperando. Tiffany o convida para se servir de uma bebida, e depois que ele se serve ela pega seu copo e diz: “Vou pegar um pouco de gelo”. Então, fora de vista, tira as impressões digitais, sem saber que ele replicou o homem cuja identidade assumiu com adesivos plásticos finos de suas impressões digitais fornecidos por seu fiel inventor do MI6, Q.

A última ocorreu durante a travessia do Atlântico – não no Elizabeth, que havia sido retirado de serviço em 1968, mas no SS Canberra, que entrou em serviço em 1960 (e mais tarde serviu como navio de tropas na Guerra das Malvinas de 1982).

Dois dos capangas de Spang posam como garçons entregando o jantar a Bond, com ostras Andaluz (fritas com pimentão verde e chouriço), “pegadinhos de carne” shashlik em espetos queimados, baguetes, conhaque Courvoisier, vinho e uma surpresa bomba, que é, claro, uma bomba real.

filme_youtube
filme_youtube

Bond inspeciona o rótulo da garrafa de vinho, um Mouton-Rothschild

Desconfiado dos dois homens, Bond inspeciona o rótulo da garrafa de vinho, um Mouton-Rothschild, e diz com indiferença: “Hmm, para uma refeição tão grandiosa eu esperava um clarete”, que é o termo britânico para um Bordeaux tinto. O vilão responde: “Infelizmente, nossa adega está mal abastecida com claretes”. Bond diz: “Mas Mouton-Rothschild é um clarete”, expondo o homem na suposição de que um garçom de vinho em um navio de luxo nunca cometeria um erro tão fundamental, acrescentando: “e antes eu cheirei aquela loção pós-barba duas vezes, e em ambas as vezes cheirei um rato.”

Os dois vilões atacam Bond. Um vem até ele com os espetos de shashlik em chamas; Bond quebra a garrafa de conhaque e joga o conteúdo nele, fazendo com que o homem pegue fogo. O outro homem Bond joga para fora do navio, com a bomba entre as pernas.

*John Mariani é colaborador da Forbes EUA, chamado pelo Philadelphia Inquirer de “o crítico de vinhos gastronômicos mais influente da imprensa popular”. Foi três vezes indicado ao Prêmio James Beard de Jornalismo. Por 35 anos, Mariani foi correspondente de alimentos e viagens da Esquire Magazine e colunista de vinhos da Bloomberg News por 10’. Sua Enciclopédia de Comida e Bebida Americana foi aclamada como a “American Larousse Gastronomique”. Gourmand World Cookbooks Award para os EUA 2011, e o Italian Cuisine Worldwide Award 2012. Ele é co-autor de “Menu Design in America: 1850-1985” e escreveu as seções de comida para a Encyclopedia of New York City.

Compartilhe esta publicação: