Pesquisadores alemães criarão porcos para transplante de coração em humanos

Grupo planeja clonar e criar animais geneticamente modificados para simplificar processo do primeiro transplante de porco para humano do mundo.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Lukas Barth
REUTERS/Lukas Barth

A primeira geração dos animais modificados deve nascer este ano, e seus corações serão testados em babuínos antes que a equipe busque aprovação para um teste clínico em humanos em 2025

Acessibilidade


Cientistas alemães planejam clonar e criar este ano porcos geneticamente modificados para servir como doadores de coração para humanos, com base em uma versão mais simples de um animal criado nos Estados Unidos usado no mês passado no primeiro transplante de porco para humano do mundo.

Eckhard Wolf, cientista da Universidade Ludwig-Maximilians (LMU) em Munique, disse que sua equipe pretende ter a nova espécie, modificada da raça da ilha de Auckland, pronta para testes de transplante até 2025.

VEJA TAMBÉM: Equipe fundada por bilionário procura fórmula de combate ao câncer

Na primeira cirurgia desse tipo, uma equipe da Universidade de Medicina de Maryland no mês passado transplantou um coração de porco com dez modificações em um homem com doença terminal. Os médicos dizem que ele está respondendo bem, embora os riscos de infecção, rejeição de órgãos ou pressão alta permaneçam.

“Nosso conceito é avançar com um modelo mais simples, ou seja, com cinco modificações genéticas”, disse Wolf, cujo trabalho desencadeou um debate acalorado em um país com uma das menores taxas de doação de órgãos da Europa e um forte movimento pelos direitos dos animais.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: Como Juliana Camargo transformou a proteção animal em um caso de empreendedorismo

Wolf, que pesquisa transplantes de animais para humanos — conhecidos como xenotransplantes — há 20 anos, disse que sua equipe usaria tecnologia de clonagem ainda ineficiente para gerar apenas “os animais fundadores”, a partir dos quais futuras gerações geneticamente idênticas seriam criadas.

A primeira geração deve nascer este ano, e seus corações serão testados em babuínos antes que a equipe busque aprovação para um teste clínico em humanos em dois ou três anos, segundo Wolf.

Os transplantes são usados em pessoas diagnosticadas com falência de órgãos que não têm outras opções de tratamento, uma lista de espera que somava cerca de 8.500 pessoas na Alemanha no final de 2021, segundo dados da Organ Transplantation Foundation do país.

Compartilhe esta publicação: