Guerra na Ucrânia põe mercado de alimentos orgânicos em alerta nos EUA

Chamada de celeiro da Europa, país se tornou também um grande exportador de commodities de valor agregado a vários nichos de mercado.

Chloe Sorvino
Compartilhe esta publicação:
Tim Graham_Gettyimages
Tim Graham_Gettyimages

Ração animal para criações orgânicas pode inviabilizar o negócio

Acessibilidade


A guerra na Ucrânia e sua terrível violência terão efeitos cascata que atingirão os lugares mais improváveis. O país sitiado, conhecido como o celeiro da Europa por seu solo fértil e colheitas abundantes, é um dos líderes mundiais na produção de oleaginosas e grãos orgânicos – do tipo consumido pelas galinhas norte-americanas.

A maioria dos produtos agrícolas da Ucrânia é exportada para países africanos e outros países europeus, e certamente qualquer escassez seria sentida mais profundamente nessa região do que nos EUA, onde 6% da carne de frango é orgânica – uma pequena, mas crescente fatia do mercado.

LEIA TAMBÉM:  6 fatos da guerra na Ucrânia que impactam o mercado brasileiro de carne bovina

Empresas como a Perdue Farms, com sede em Salisbury, Maryland, com US$ 8 bilhões (R$ 40,5 bilhões na cotação de hoje 5) em vendas anuais, compram uma parte das sementes oleaginosas e grãos orgânicos da Ucrânia para alimentar bovinos que alcançam um preço premium nos supermercados. As importações de oleaginosas orgânicas dos EUA da Ucrânia atingiram 1,85 bilhão de libras (R$ 12,4 bilhões) no ano passado, de acordo com o Mercaris, serviço de dados de commodities orgânicas e não transgênicas.

Com pouco mais de uma semana, desde que o presidente russo Vladimir Putin ordenou a entrada de tropas na Ucrânia, executivos da Perdue, o quarto maior produtor de aves dos EUA e um dos principais vendedores de carne orgânica do mundo, estavam de olho no campo de batalha para ver se poderia continuar adquirindo ingredientes orgânicos para rações da Ucrânia e como isso pode afetar os preços.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Continuamos monitorando ativamente a situação em andamento, em busca de possíveis impactos nos mercados agrícolas e nossos parceiros agricultores”, disse Diana Souder, a porta-voz da Perdue. “Um fechamento prolongado da capacidade de processamento e exportação de grãos da Ucrânia teve e continuará a ter um impacto nos preços mundiais de grãos e oleaginosas, bem como nos preços de insumos para os agricultores.”

Logística como mais um entrave

Outra preocupação é o transporte. Um dos efeitos da guerra é o perigo das viagens, e os agricultores preocupados em serem mortos têm menos probabilidade de levar seus grãos ao mercado. “Tudo se resume ao acesso”, disse Ryan Koory, vice-presidente de economia da Mercaris. “Eles poderão enviar para os EUA? O acesso será um grande ponto de discórdia.”

Com problemas como seca e atrasos nos portos, os preços das commodities já estavam subindo antes da guerra. Desde que o conflito começou, eles dispararam.

Alguns especialistas temem que, sem os ingredientes certos para ração da Ucrânia, as galinhas orgânicas, que são mais caras de produzir do que outras galinhas, podem se tornar muito caras nos EUA. O frango é normalmente mais barato do que a carne bovina ou suína, o que significa que os consumidores, que já lidam com a inflação mais alta em 40 anos, podem não estar dispostos a pagar os altos preços que os produtores precisam para manter suas criações e sobreviver do negócio.

“O orgânico verá picos de preços”, disse Alison Grantham, da Grow Well Consulting. “Isso pode prejudicar o tamanho geral do mercado orgânico. As pessoas já estão lidando com tanta inflação. É uma escolha, se você compra frango orgânico ou não orgânico. Podemos ver algum encolhimento nas aves orgânicas. Não sei o quanto o consumidor pode suportar.”

Compartilhe esta publicação: