Plano Nacional de Fertilizantes é criado para tentar reduzir importação dos insumos

Com o país importando 85% de sua demanda por adubos, plano vai em busca de soluções para essa cadeia do agro que impacta a economia.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Gettyimages
Gettyimages

Brasil importa 85% dos fertilizantes que utiliza em suas lavouras

Acessibilidade


O governo federal lançou hoje (11), o PNF (Plano Nacional de Fertilizantes), uma tentativa de reduzir a dependência do Brasil das importações de fertilizantes. O plano serve de referência para o planejamento do setor de fertilizantes para os próximos 28 anos (até 2050), com foco nos principais elos da cadeia: indústria tradicional, produtores rurais, cadeias emergentes, novas tecnologias, uso de insumos minerais, inovação e sustentabilidade ambiental.

A elaboração do plano começou no ano passado. Com a sua instituição, foi criado o Conselho Nacional de Fertilizantes e Nutrição de Plantas, órgão consultivo e deliberativo que coordena e acompanha a implementação do Plano Nacional de Fertilizantes.

LEIA TAMBÉM: Embrapa quer mostrar aos produtores como economizar R$ 5 bi com fertilizantes

Atualmente, o Brasil ocupa a quarta posição mundial com cerca de 8% do consumo global de fertilizantes, sendo o potássio o principal nutriente utilizado pelos produtores nacionais (38%). Na sequência, aparecem o fósforo, com 33% do consumo total de fertilizantes, e o nitrogênio, com 29%. Juntos, formam a sigla NPK. Dentre as culturas que mais demandam o uso de fertilizantes estão a soja, o milho e a cana-de-açúcar, somando mais de 73% do consumo nacional.

Segundo dados da Anda(Associação Nacional para Difusão de Adubos), mais de 85% dos fertilizantes utilizados no país são importados, com um mercado dominado por poucos fornecedores, deixando o setor vulnerável às oscilações do mercado internacional de fertilizantes. Com o plano, a meta é baixar para 45%, mesmo que dobre a demanda por fertilizantes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Brasil é o quarto maior produtor mundial de grãos (arroz, cevada, soja, milho e trigo), sendo responsável por 7,8% da produção total mundial. O objetivo do PNF é minimizar a dependência externa desses nutrientes, que chegam ao país principalmente da Rússia, da China, do Canadá, do Marrocos e da Bielorússia. Estados Unidos, Catar, Israel, Egito e Alemanha completam a lista dos dez maiores exportadores de fertilizantes para o Brasil em 2021, de acordo com dados do Ministério da Economia.

As diretrizes do PNF também abordam uma política fiscal favorável ao setor, incremento de linhas de fomento ao produtor, incentivos a ações privadas, expansão da capacidade instalada de produção, melhorias na infraestrutura e logística nacionais. Segundo Flávio Rocha, secretário especial para Assuntos Estratégicos do Ministério da Agricultura,  há 21 obras inacabadas que poderiam ser concluída, o que poderia ajudar a diminuir o déficit atual por adubos.

Além da redução da dependência externa, o PNF ainda apresenta oportunidades em relação a produtos emergentes como os fertilizantes organominerais e orgânicos (adubos orgânicos enriquecidos com minerais, por exemplo) e os subprodutos com potencial de uso agrícola, os bioinsumos e biomoléculas, os remineralizadores (exemplo, pó de rocha), nanomateriais, entre outros.

O desenvolvimento de tecnologias apropriadas ao ambiente tropical de produção brasileiro e a formação de redes de apoio tecnológico ao produtor rural e aos técnicos também compõem o Plano e integram a Caravana Embrapa FertBrasil. A ação, realizada pela Embrapa, prevê visitas técnicas aos principais polos agrícolas, visando abordar práticas para o aumento da eficiência no uso dos produtos. A previsão é de que os resultados da caravana promovam uma economia de até 20% no uso dos fertilizantes no Brasil já na safra 2022/23, o que pode resultar em até um US$ 1 bilhão de economia para o produtor rural brasileiro.

Compartilhe esta publicação: