Apresentado por       

Magalu inicia programa de coleta responsável de lixo eletrônico

Meta da companhia é instalar pontos em 500 lojas até o fim do ano

Redação
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
baranozdemir/Getty Images
baranozdemir/Getty Images

Meta do Magalu é instalar pontos em 500 lojas até o fim do ano

Acessibilidade


O Magalu inicia nesta semana seu programa de reciclagem de eletroeletrônicos e eletrodomésticos. A varejista vai instalar pontos de coletas de produtos fora de uso, especialmente ítens eletrônicos de diferentes tipos, desde fones de ouvido e secadores de cabelo, até geladeiras e aparelhos de TV, em 33 lojas da Grande São Paulo.

A iniciativa é uma parceria com a Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos (ABREE), que será responsável pela coleta e destinação ambientalmente adequada do material. Este trabalho também envolve dez empresas homologadas.

LEIA TAMBÉM: São Paulo ganha espaço para promover negócios sustentáveis

A meta do Magalu é que, até o fim deste ano, 500 lojas estejam prontas para receber eletroeletrônicos e eletrodomésticos descartados pelos consumidores. As próximas regiões a receberem pontos de coleta serão no interior paulista, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Paraná.

De acordo com o relatório The Global E-waste Monitor 2020, o Brasil foi o quinto país que mais produziu lixo eletrônico em 2019, atrás de China, Estados Unidos, Índia e Japão. No período, o mundo descartou um volume recorde de eletrônicos: 53,6 milhões de toneladas. E apenas 17,4% desse material foi reciclado. O projeto de descarte sustentável de eletrônicos faz parte de uma série de iniciativas ambientais elaboradas pelo Magalu para 2021.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: