Apresentado por       

“Somos storytellers e precisamos garantir que nossas histórias gerem identificação”, diz executiva da Disney sobre o Orgulho LGBTQIA+

Gigante do entretenimento desenvolveu produtos e conteúdos exclusivos para marcar o mês, mas ressalta que ações inclusivas são realizadas o ano inteiro

Beatriz Calais
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Marcas como Água de Coco, Go Case, Renner e Tudu (da coleção da foto acima) farão parte desse projeto

Acessibilidade


Em 2018, a The Walt Disney Company lançou sua primeira coleção de Orgulho LGBTQIA+ nos Estados Unidos. Desde então, a empresa decidiu expandir o programa mundialmente, chegando ao Brasil no ano passado. “Em 2020, fizemos um trabalho global entre as equipes de produto e consumo. Com isso, conseguimos trazer um sabor local para o projeto na América Latina”, conta Carla Pereira, diretora de marketing LATAM CPGP (consumer products, games and publishing). Após o test drive, que teve alta aceitação pelo público brasileiro, a campanha deste ano chegou ainda mais forte.

Os produtos e os conteúdos especiais foram lançados durante o mês de junho e, principalmente, com foco no dia 28, Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+. No entanto, Carla destaca que o catálogo continua disponível durante o ano inteiro e que as ações da empresa não ficam restritas ao setor de consumo. “Precisamos celebrar a comunidade de forma perene, não apenas no mês do orgulho. O lançamento é agora, mas as ações estão ativas o tempo inteiro.”

VEJA TAMBÉM: Ecossistema cervejeiro se une para criar produtos especiais em apoio à comunidade LGBTQIA+

Na América Latina, a companhia apoia o programa “It Gets Better”, uma rede de instituições que ajudam a comunidade por meio de contatos, empoderamento de jovens e suporte à saúde mental. “É legal falar de produtos, mas também precisamos dar suporte à comunidade”, revela a executiva. E, claro, não é possível cuidar da sociedade sem, antes, cuidar do ambiente da empresa. Sendo assim, Carla conta sobre o compromisso com os “cast members” da Disney, como os funcionários são carinhosamente chamados.

“Todos que fazem parte do funcionamento da empresa são membros do elenco nessa história que a Disney está contando”, revela. “Por isso, precisamos oferecer um local de trabalho inclusivo e acolhedor para todos.” Como exemplo disso, a companhia, em dezembro do ano passado, abriu um programa de jovens aprendizes em parceria com a TransEmpregos, empresa especializada em empregabilidade de pessoas transgêneras. Já para aqueles que trabalham na empresa e fazem parte da comunidade LGBTQIA+, há grupos internos de diversidade e inclusão, além de seminários e conferências que são organizados de tempos em tempos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais do que se sentir acolhido, ter voz e empoderamento em uma grande companhia é essencial. Por isso, Carla também se orgulha da equipe inclusiva que desenvolveu a coleção “Rainbow”. “A comunidade ajudou no desenvolvimento desses produtos que lançamos em junho. Temos designers maravilhosos que tiveram voz para criar”, ressalta. “Na Disney somos storytellers e temos que garantir que nossas histórias gerem identificação em todos. Quem melhor do que alguém da comunidade para transportar isso para produto e conteúdo?”

A resposta para esse questionamento fica clara quando observamos os detalhes da coleção de 2021. Tudo bem pensado por um time diverso que fala a mesma língua: o respeito pela diferença. Os conteúdos, por exemplo, abordaram o assunto de forma natural e orgânica. O streaming Disney+ destacou, em sua programação, o curta “Segredos Mágicos”, da Pixar, que conta a história de Greg, um menino que, mesmo com uma vida cheia de amor, sente necessidade de guardar um grande segredo, mas, com a ajuda de seu cachorrinho e um pouco de magia, aprende que não há nada que precise esconder. Já para uma audiência mais velha, há o documentário “Howard – Sons de um Gênio”, que mostra o retrato íntimo de Howard Ashman, compositor homossexual por trás de vários clássicos da Disney durante a década de 1980.

Outros canais da marca, como National Geographic e ESPN – que está produzindo uma série especial para o SportsCenter sobre a inclusão dos atletas LGBTQIA+ no universo esportivo – também exploraram o poder da Disney em revelar boas narrativas para honrar a comunidade. “Nosso trabalho é contar histórias. É isso que nos diferencia, o respeito do início ao fim do processo”, destaca Carla.

E, finalmente, no setor de consumo e produto, a atenção aos detalhes não foi diferente. Mais do que a imagem do Mickey entre arco-íris, a Disney explorou personagens de franquias como Marvel, Star Wars e Pixar na coleção recém-lançada, que conta com camisetas, produtos de festa e decoração para casa. Marcas como Água de Coco, Go Case, Renner, Hering, C&A, Regina Festas, Zona Criativa, Carrefour e Molin farão parte desse projeto, lançando coleções temáticas.

“Queremos conversar com os fãs de todas as marcas da companhia. Para incluir todos, nossa coleção aumentou”, explica a diretora. “Também expandimos a coleção para agradar famílias inteiras. Esse foi um feedback dos consumidores que recebemos no ano passado e, este ano, decidimos colocar em prática.”

Em 2022, o plano é expandir ainda mais o programa. Enigmática, Carla diz que a ideia é impulsionar ainda mais o pilar de diversidade da empresa, mas não revela o grande segredo. A única certeza, no entanto, é a atenção da companhia em agir o ano inteiro – e não apenas no mês do orgulho. “Nosso objetivo é sempre refletir a realidade de forma muito orgânica e natural”, conclui.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: