Por que os bilionários chineses dominam o mercado de luxo mundial

Reprodução
Números de relatórios mostram que as análises sobre desaceleração chinesa podem ser exageradas

Resumo

  • A tendência de gastos cada vez maiores em datas como o Dia dos Solteiros significa que a renda disponível das famílias na segunda maior economia do mundo também está aumentando;
  • Há evidências suficientes para mostrar que esse crescimento de receita tem impulso e é sustentável, apesar dos recentes contratempos, como a guerra comercial EUA-China;
  • A nova riqueza está sendo gasta por jovens consumidores em marcas de luxo, artigos de luxo de alta qualidade e experiências de viagem.

É difícil de acreditar agora, mas o primeiro Dia dos Solteiros, realizado em 2009, gerou apenas US$ 7 milhões para o mega varejista Alibaba. Ninguém poderia imaginar que, dez anos depois, o evento de compras de 24 horas veria o número de vendas subir para um recorde histórico de US$ 38,4 bilhões, 5.471 vezes mais.

Mas foi exatamente no último dia 11, quando milhões de compradores chineses ansiosos inundaram o Tmall.com e o Taobao.com, operados pelo Alibaba, para aproveitar os descontos do Dia dos Solteiros em bens de consumo e de luxo. Na primeira hora de compras, foram vendidos até US$ 12 bilhões em mercadorias.

LEIA MAIS: Como as marcas de luxo podem animar o mercado chinês

Os envios de produtos diários da empresa são impressionantes. Para colocar em perspectiva, US$ 38 bilhões é quase o mesmo tamanho da economia da nação insular do Bahrein e o dobro do tamanho do Botsuana, país rico em recursos.

Combinada com a rival do Alibaba, JD.com, a receita total do Dia dos Solteiros superou US$ 60 bilhões, que equivale ao PIB da Costa Rica.

Você pode ver esses números de várias maneiras. O que eles me dizem acima de tudo é que o consumidor chinês está vivo e bem, e os relatórios sobre a desaceleração econômica da China foram extremamente exagerados.

Dados demográficos

A tendência de gastos cada vez maiores no Dia dos Solteiros também significa que a renda disponível das famílias na segunda maior economia do mundo também está aumentando. Esta é uma boa notícia para fabricantes e varejistas de artigos de luxo, de bolsas e óculos de sol a ternos, relógios, joias, cosméticos e muito mais.

Também é bom para os investidores globais.

Há evidências suficientes para mostrar que esse crescimento de receita tem impulso e é sustentável, apesar dos recentes contratempos, como a guerra comercial EUA-China.
Por um lado, a China agora abriga mais pessoas ricas do que os EUA. Isso está de acordo com o relatório de 2019 do Credit Suisse sobre riqueza global, divulgado no mês passado, que mostra não apenas que o país asiático tem 4,4 milhões de milionários, mas também 100 milhões de membros dos 10% mais ricos do mundo, ultrapassando os 99 milhões de membros dos Estados Unidos pela primeira vez.

Entre eles, é claro, está o próprio Jack Ma, cofundador e ex-presidente executivo do Alibaba. Pelo segundo ano consecutivo em 2019, Ma liderou a China Rich List do Hurun Research Institute, com um patrimônio líquido de US$ 39 bilhões. Surpreendentemente, a riqueza média dos 1.800 maiores ganhadores da China foi de US$ 1,4 bilhão.

Examinando a lista dos bilionários chineses, 156 têm menos de 40 anos, 24 a mais que no ano passado. Um deles, Colin Huang (39º colocado), cofundador da plataforma de comércio eletrônico Pinduoduo, é o primeiro empreendedor autodidata nascido na década de 1980 a entrar no top ten, tendo aumentado sua riqueza em US$ 5,7 bilhões em relação ao ano passado. Hoje, Huang vale US$ 19 bilhões, segundo o relatório de Hurun. (A FORBES, no entanto, calcula seu patrimônio em US$ 21 bilhões.)

A empresa de pesquisa Wealth-X descobriu que 27,5% dos indivíduos com alto patrimônio líquido China – aqueles com mais de US$ 1 bilhão – têm menos de 50 anos. Isso está muito acima da média global, que é de 13%. Além disso, uma vasta maioria de indivíduos super-ricos (93,5%) é completamente autodidata. “A geração afluente da China pós-década de 1980 está alimentando as compras de luxo no momento”, escrevem analistas da McKinsey & Co. “Eles cresceram quando a China emergiu como potência econômica e agora estão no auge de suas carreiras e ganhos, viajam com frequência e gastam para demonstrar seu individualismo e sucesso.”

Produtos de luxo

Toda essa nova riqueza está sendo gasta por jovens consumidores em marcas de luxo, artigos de luxo de alta qualidade e experiências de viagem. Um total de 91% dos entrevistados chineses da pesquisa da Mintel disseram que, ao fazer uma compra, “a qualidade é mais importante do que o preço”.

Segundo Jessica Jin, diretora associada da Mintel, os consumidores chineses estão se tornando “experientes em gastos”. “Eles estão dispostos a pagar mais por produtos e serviços que oferecem experiências novas e mais ricas que se alinham aos seus valores”, diz Jin, “e é o crescimento estável de sua renda disponível que está apoiando esse estilo de vida”.

Vale ressaltar que no final do mês passado, a General Motors anunciou que atingiu um milhão de vendas de seu Cadillac CT4 premium, desde a estreia na China há 16 anos. O marco seguiu as outras marcas de luxo Audi, BMW e Mercedes-Benz.

“A geração afluente da China pós-década de 1980 está alimentando as compras de luxo no momento”, escreve analistas da McKinsey & Co. “Eles cresceram quando a China emergiu como uma potência econômica e agora estão no auge de suas carreiras e ganhos, viajam frequentemente e gastam para demonstrar seu individualismo e sucesso. ”

VEJA TAMBÉM: Novo parque temático chinês tem atrações inspiradas em filmes como “Jogos Vorazes”

Na indústria global de viagens e turismo, os consumidores da China também estão entre os que mais gastam. De acordo com o fornecedor de serviços imobiliários Savills, mais de três quartos dos gastos dos consumidores chineses em produtos de luxo são feitos enquanto eles viajam para o exterior. Os varejistas de luxo adotaram essa tendência, optando por concentrar novas aberturas de lojas nas cidades que atraem o maior número desses turistas.

Essa parece ser uma decisão sábia. As compras online vêm aumentando há anos, mas quando se trata de produtos de luxo em particular, os consumidores chineses tendem a preferir a experiência física na loja.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).