Conheça o novo espaço da coleção de joias mais importante do mundo

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Com aproximadamente 50 metros quadrados, o novo Albion Art Okura Tokyo Salon apresenta um estilo romanesco do período medieval

O fechamento temporário de um shopping center para reforma anexo a um hotel de luxo tornou-se uma oportunidade para Kazumi Arikawa.

Ele é o proprietário do Albion Art Jewellery Institute, com escritórios em Tóquio e Fukuoka, no sul do Japão. Arikawa é um colecionador e comerciante de joias históricas. Sua coleção de, aproximadamente, 800 peças é considerada por muitos uma das mais importantes em termos de valor e importância.

A antiga boutique Albion Art, em Tóquio, ficava no shopping, na parte mais antiga do complexo hoteleiro Okura Tokyo, conhecida como Heritage Wing. Ele estava fechado para reforma e Arikawa aproveitou a oportunidade para negociar um novo espaço com o hotel. Ele poderia ter aberto sua loja embaixo da moderna ala Prestige Tower, onde há outra galeria comercial, mas, em vez disso, conseguiu espaço no saguão, uma posição privilegiada.

O hotel de luxo está localizado do outro lado da rua da Embaixada dos Estados Unidos e perto de outras embaixadas, para atrair uma clientela sofisticada e abastada. As pessoas poderiam encontrar a boutique, não importa a localização, mas estar no lobby aumenta drasticamente o tráfego. Além disso, é o único espaço de varejo no lobby.

Arikawa acumulou sua coleção por mais de 30 anos. Embora ele seja um residente no Japão, a grande maioria de seu acervo consiste de joias do mundo ocidental, principalmente da antiguidade ao Renascimento. Mas ele também possui peças do século 20. Arikawa gosta especialmente de tiaras e camafeus. Como revendedor, está constantemente comprando e vendendo, então o acervo muda constantemente.

Com aproximadamente 50 metros quadrados, o novo Albion Art Okura Tokyo Salon não é grande, mas está a um mundo de distância do design contemporâneo do lobby do hotel.

“Criei essa sala como uma igreja de estilo romanesco no período medieval”, diz ele. “Os padres dos mosteiros criaram joias como uma divindade. O papa, por exemplo, ordenou que o sumo sacerdote usasse um anel de safira porque ela é um símbolo do céu, a Virgem Maria, e um símbolo de uma crença sincera em Jesus.”

LEIA MAIS: Red carpet: as joias mais incríveis do Oscar 2020

O filigrama da porta de metal é semelhante à tela do confessionário que separa o padre do paroquiano que confessa seus pecados. As paredes sunrock italianas têm arcos, que criam uma aparência monástica. Armários, mesas, cadeiras e outros móveis são feitos de madeiras naturais de diferentes tons claros. Os sons  gregorianos ecoam pelo espaço. É um lugar que honra a natureza historicamente espiritual das joias.

Vitrines de vidro são embutidas na parede de pedra na entrada da loja e ficam em cima de armários de madeira. Alguns desses armários estão localizados dentro das paredes em arco. Enquanto as peças maiores estão no interior das vitrines de vidro em cima dos estojos, as gavetas revelam tesouros menores, como camafeus com séculos de idade e peças vintage incomuns, como tesouras feitas com joias.

Os pertences mais valiosos de Arikawa estão localizados em um prédio nas proximidades, em um conjunto de salas com o mesmo design de sua boutique.

Atrás de uma porta escondida há uma sala de mediação projetada com um design realista do século 16. Arikawa é um monge budista que aprecia as religiões mais antigas e tem uma crença sincera de que as gemas têm poder e significados espirituais. “Desde o início da história da humanidade, a pedra preciosa é o símbolo do nosso desenvolvimento espiritual. Percebi isso e hoje posso sentir uma joia na minha mão e capturar essa essência.”

Em uma sala, há uma estante com livros sobre importantes joias da história que representam apenas 3% de sua coleção total. “Esta é a maior e mais importante coleção de livros de joalheria do mundo”, diz ele, sem se gabar. “Não há comparativos.”

O acervo do colecionador inclui uma pulseira de ouro do século 19 da família Castellani, um colar de pingente de ouro do período do Renascimento Romano (séculos 11 e 12) e um pingente de ouro do período helenístico (300 a 30 aC). Grandes colares elaborados de diamantes e pedras preciosas do século 19, além de joias com temas da natureza brilhando em diamantes estão em exibição em vários lugares. Há, ainda, peças históricas mais importantes que ele só mostrou para alguns de nós depois que prometemos não revelá-las.

Arikawa comemorou a inauguração do Albion Art Okura Tokyo Salon em grande estilo, com um jantar de gala no hotel, com a participação de cerca de 450 importantes colecionadores de joias e gemas, revendedores e historiadores de todo o mundo. A Orquestra Filarmônica IlluminArt, conduzida por Tomomi Nishimoto, apresentou-se durante a noite. Um recital foi feito pelo poeta japonês Mutuo Takahashi. A soprano britânica Charlotte Henriette de Rothschild foi a surpresa especial. Ela executou pelo menos três árias usando uma linha de topázio de Württemberg e diamante, datada das décadas de 1810-1830, da coleção Albion Art (tiara, colar, pulseiras, brincos e broche).

No final do evento, Arikawa agradeceu aos convidados dizendo: “Seguiremos juntos até o final. Então, por favor, aproveitem suas vidas”.

Veja na galeria abaixo algumas das peças da coleção:

  • Um pingente ou broche de água-marinha Belle Epoque

    ReproduçãoForbes
  • Arcebispo Johann Hugo von Orsbeck, safira armorial da coleção Albion Art

    ReproduçãoForbes
  • Camafeu Adoração dos Reis

    ReproduçãoForbes
  • O topázio de Wurttemberg usado pela soprano britânica Charlotte Henriette de Rothschild

    ReproduçãoForbes

Um pingente ou broche de água-marinha Belle Epoque

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).