Maria e Jesus negros se destacam na mostra de Volpi, que começa hoje no Masp

A exposição compõe as celebrações do ano que tem o Bicentenário da Independência como eixo central da programação do museu.

Décio Galina
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

Alfredo Volpi, Sem título (Madona com menino), 1947, Têmpera sobre tela, 73 x 60 cm, Coleção Orandi Momesso, São Paulo

Acessibilidade


Uma Nossa Senhora negra com o menino Jesus negro, uma sereia de rabo verde e o próprio Masp enfeitado de bandeirinhas. Estes são os três destaques da exposição de Alfredo Volpi (1896-1988), escolhidos pelo curador-chefe do Masp, Tomás Toledo. A mostra começa hoje (25) e vai até 5 de junho.

Divulgação

Alfredo Volpi, Sem título, da série de painéis para Companhia de Navegação Costeira, 1962, Óleo sobre tela, 141 x 263 cm, Coleção particular, São Paulo

Ele assina a curadoria da exposição Volpi Popular ao lado do diretor artístico do museu, Adriano Pedrosa. A seleção reúne cerca de cem pinturas garimpadas principalmente em coleções particulares. Já é o terceiro nome de modernistas canônicos na série de exposições que trouxe Portinari (2016) e Tarsila (2019), ocasião em que 402.850 visitaram o museu, batendo o recorde de Monet (401 mil, em 1997).

LEIA TAMBÉM: Masp lança programa de benefícios para empresas

Volpi Popular compõe as celebrações do ano que tem o Bicentenário da Independência como eixo central da programação do Masp, com ênfase a um conceito mais amplo de brasilidade. “É um ótimo momento para a gente pensar a história brasileira a partir de outras narrativas que não sejam só as criadas pelas elites dominantes. Queremos outros pontos de vista, perspectivas muitas vezes excluídas como a dos indígenas, das populações negras e das mulheres”, explica Tomás.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Divulgação

Alfredo Volpi, Sem título, 1941, Óleo sobre tela, 52 x 59 cm, Coleção Miguel Carvalho, Rio de Janeiro

Volpi nasceu em Lucca, na Itália, e chegou ao bairro do Cambuci, em São Paulo, com pouco mais de um ano. Jovem, trabalhou como marceneiro, entalhador e encadernador. Virou aprendiz de decorador de parede em 1911, época que começou a pintar sobre madeira e tela. A primeira exposição coletiva aconteceu em 1925. Em 1940, ganhou um concurso promovido pelo Iphan, e, quatro anos mais tarde, fez a primeira individual em São Paulo.

A partir dos anos 1950, sintetiza suas composições, deixando-as cada vez mais geometrizadas. Participa das três primeiras Bienais Internacionais da cidade e, em 1953, recebe o prêmio de melhor pintor nacional – cinco anos depois vem o reconhecimento do Prêmio Guggenheim. Avesso ao uso de tintas industriais, ele aprendeu a pintar a têmpera: técnica em que se cria a própria tinta a partir de pigmentos.

“Para esta exposição priorizamos o interesse de Volpi por temas populares, como santos – ele não era religioso, seu interesse era estético –, bandeirinhas, fachadas coloniais, temas náuticos, festas e mitologia. Mostramos o cotidiano do pescador, da época que ele viveu em Itanhaém; e a vida interiorana, da fase em que esteve em Mogi das Cruzes”, conta Tomás. “Para quem o conhece mais pelas bandeirinhas, vai ser legal descobrir outras facetas.”

Veja mais fotos da exposição:

  • Alfredo Volpi, Sem título (Carrinho de sorvete), 1950, Têmpera sobre tela, 54 x 64,5 cm, Coleção particular, São Paulo

  • Alfredo Volpi, Sem Título, 1940, Óleo sobre tela, 52 x 80 cm, Coleção Particular, São Paulo

  • Alfredo Volpi, Sem título, 1950, Têmpera sobre tela, 73 x 116,5 cm, Coleção particular, Rio de Janeiro

  • Alfredo Volpi, Sem título, 1960, Têmpera sobre tela, 73,3 x 54 cm, Coleção Paulo Kuczynski Escritório de Artes, São Paulo

  • Foto: Divulgação

    Alfredo Volpi, Sem título (Santa Rita de Cássia), 1960, Têmpera sobre tela, 73 x 50 cm, Coleção Ana Elisa e Paulo Setúbal, São Paulo

Alfredo Volpi, Sem título (Carrinho de sorvete), 1950, Têmpera sobre tela, 54 x 64,5 cm, Coleção particular, São Paulo

Compartilhe esta publicação: