Pressão por corpo perfeito também afeta os homens

Especialistas chegam a dizer que cerca de 30% dos distúrbios alimentares como anorexia e bulimia ocorrem em homens.

Arthur Guerra
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

“Lamentavelmente, muitos homens e jovens têm sofrido com ansiedade, baixa autoestima, depressão e até pensamentos suicidas em decorrência dessa pressão das mídias sociais pelo corpo perfeito”

Acessibilidade


Eu já atendi muitas jovens com problemas de autoimagem corporal. Eram meninas que, apesar de não terem nada de errado com o corpo delas, se achavam gordas ou encontravam defeitos onde não tinham. Infelizmente, o distúrbio de imagem corporal não afeta só as mulheres, mas igualmente os homens. Pouco se fala sobre essa questão de saúde mental nos homens porque esse é um campo de pesquisas relativamente novo.

Mas alguns poucos estudos dão conta de que a insatisfação com a imagem corporal é um problema que atinge uma considerável parcela do público masculino, principalmente entre a pré-adolescência e os 40 anos de idade, da mesma forma que em mulheres. Especialistas chegam a dizer que cerca de 30% dos distúrbios alimentares como anorexia e bulimia ocorrem em homens, e que 30% deles têm alguma preocupação com o corpo ou têm uma imagem corporal negativa.

Em 2014, por exemplo, pesquisadores franceses estudaram um pequeno grupo de homens (eram 323 apenas) com idade média de 22 anos. Detalhe: todos tinham peso considerado saudável. Dentre eles, 85% se diziam descontentes com a sua massa muscular. Uma outra pesquisa, feita com jovens entre 8 e 18 anos, apontou que metade deles mudaria a sua dieta para ter uma aparência melhor e que 2 em cada 10 acreditam que existe um corpo masculino perfeito pelo qual vale a pena lutar.

Leia mais: Fumar maconha depois do trabalho atrapalha a produtividade no dia seguinte?

De onde vem esse descontentamento, essa ansiedade para ter um outro corpo? Quando entramos nas redes sociais, fica fácil descobrir. Dificilmente se vê uma foto de um corpo normal – e por normal eu digo um corpo saudável e que eventualmente pode concentrar algum pneuzinho na barriga. O que se encontra nesse nosso mundo pasteurizado e de prazeres instantâneos (quanto mais likes, mais “bem-sucedido” eu sou, certo?) são corpos irreais de super-heróis de quadrinhos: músculos saltados e índice de gordura muito abaixo do saudável.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Lamentavelmente, muitos homens e jovens têm sofrido com ansiedade, baixa autoestima, depressão e até pensamentos suicidas em decorrência dessa pressão das mídias sociais pelo corpo perfeito. E eles têm sofrido sozinhos porque o preconceito os faz resistirem em buscar ajuda de um profissional de saúde mental. Recentemente, cantores e atores famosos passaram a falar sobre esse assunto. Um exemplo é o novo Batman, Robert Pattinson. Uns anos atrás, ele confessou sofrer com ansiedade por ter uma visão distorcida do próprio corpo.

Outra boa notícia é que começam a aparecer movimentos que buscam resgatar o prazer e a alegria de aceitar o próprio corpo, do jeito que ele é, e ajudar a construir uma nova masculinidade, que não está calcada só na aparência corporal, mas em outros valores, muito mais importantes.

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: