Carlos Ghosn deve sair de prisão no Japão

Reuters
Carlos Ghosn está preso no Japão desde 4 de abril

O ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn deve sair de uma prisão japonesa pela segunda vez desde que foi preso por acusações de má conduta financeira, depois de pagar uma fiança de US$ 4,5 milhões hoje (25) e concordar em restringir o contato com sua esposa.

LEIA MAIS: Justiça japonesa estende detenção de Ghosn até dia 22

Um tribunal de Tóquio estabeleceu uma nova condição para a fiança de Ghosn de não poder se encontrar ou se comunicar com sua esposa, Carole, sem permissão prévia, de acordo com seu advogado de defesa. Carole foi interrogada após a prisão de Ghosn no início deste mês devido a uma violação agravada das acusações de confiança.

Os promotores recorreram da decisão de fiança, mas se ela for rejeitada, o executivo terá liberdade de deixar o centro de detenção onde está preso desde 4 de abril para se preparar para o julgamento criminal previsto para o final deste ano.

Juntamente com o acesso restrito à sua esposa, os movimentos e comunicações de Ghosn serão monitorados de perto e restringidos para evitar que ele fuja do país e adultere provas, disse o tribunal do distrito de Tóquio.

Ghosn foi acusado de enriquecer a um custo de US$ 5 milhões para a Nissan, temporariamente transferindo perdas financeiras pessoais para os livros de seu empregador e declarando salário abaixo do real durante seu mandato à frente da segunda maior montadora japonesa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).