Daimler tem queda de 16% no lucro no 1° tri

Forbes
O ganho extraordinário de € 718 milhões não conseguiu compensar os custos de um atraso de produção da Mercedes-Ben

A Daimler divulgou hoje (26) queda de 16% no lucro operacional do primeiro trimestre, quando um ganho extraordinário de € 718 milhões não conseguiu compensar os custos de um atraso de produção da Mercedes-Benz e dos maiores custos de matérias-primas.

LEIA MAIS: Daimler e BMW investirão € 1 bi para concorrer com Uber

“Não podemos e não ficaremos satisfeitos com esse, já esperado, começo moderado para o ano. Agora temos que trabalhar duro para atingir nossas metas para 2019”, disse o presidente-executivo, Dieter Zetsche, em um comunicado que acompanha seus últimos resultados trimestrais como chefe.

O lucro antes de juros e impostos (Ebit) caiu para € 2,80 bilhões, abaixo dos € 2,89 bilhões esperados pelos analistas, apesar de um aumento de € 718 milhões resultante da fusão das divisões de serviços de mobilidade da Daimler e da BMW.

A Daimler disse que os problemas de lançamento de uma nova plataforma de veículos esportivos em sua fábrica em Tuscaloosa, Alabama, causaram atrasos na produção do modelo GLE, levando o retorno sobre as vendas dos carros Mercedes-Benz a cair para 6,1%, abaixo dos 9% um ano antes.

As vendas da Mercedes-Benz na China, o maior mercado automotivo do mundo, também caíram 3% e as vendas em veículos compactos menores ajudaram a corroer as margens, disse a Daimler.

VEJA TAMBÉM: Daimler vai começar a produzir elétricos na China

Ao mesmo tempo, a Daimler reduziu a perspectiva de sua divisão de vans dizendo que a margem do Ebit seria de zero a 2%, em vez de 5% a 7%.

“A perspectiva parece um pouco otimista, dado o fraco início do ano”, disse Philippe Houchois, analista da Jefferies.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).