Dólar recua frente ao real com viés positivo no exterior

iStock
Às 11:45, a moeda norte-americana recuava 0,61%, a R$ 4,1464 na venda

O dólar se desvalorizava frente ao real hoje (30), em dia no geral positivo para moedas emergentes, com agentes dos mercados se mantendo otimistas em meio a esperanças de que Estados Unidos e China voltem às negociações e superem sua disputa comercial.

LEIA MAIS: Dólar volta a subir e fica a 0,58% de recorde histórico de fechamento

O mercado se mantinha atento ainda à definição da Ptax de fim de mês, evento que tradicionalmente adiciona volatilidade aos negócios.

“É normal para o último dia do mês ter essa oscilação por conta da Ptax. Geralmente, quem está ‘comprado’ tende a pressionar a taxa para cima e quem está vendido tenta pressionar a taxa para baixo”, afirmou Jefferson Laatus, sócio-fundador do Grupo Laatus.

Às 11:45, a moeda norte-americana recuava 0,61%, a R$ 4,1464 na venda. Na véspera, o dólar teve alta de 0,34%, a R$ 4,1717 na venda, maior nível para um encerramento desde 13 de setembro de 2018 e a 0,58% de recorde histórico de fechamento. Na B3, o dólar futuro cedia 0,56%, a R$ 4,1460.

Nesta sexta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que as equipes de negociadores comerciais chinesas e norte-americanas estão mantendo uma comunicação eficaz.

Na véspera, o Ministério do Comércio da China havia dito que os dois países estavam discutindo a próxima rodada de negociações comerciais presenciais marcada para setembro, mas as expectativas de avanço dependiam da capacidade dos EUA de criarem condições favoráveis.

As declarações de autoridades chinesas proporcionaram um alívio para as preocupações em torno da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo e elevaram a procura por ativos mais arriscados.

A moeda norte-americana mostrava nesta sexta-feira desvalorização frente a algumas moedas emergentes, com a lira turca em alta de 0,35% e o rand sul-africano com ganho de 0,58%.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).