Ex-Google indiciado por roubar dados de carros autônomos

Alexandria Sage/Reuters
Miles Ehrlich, advogado de defesa do engenheiro do Uber, Anthony Levandowski, fala com jornalistas na Califórnia

Anthony Levandowski, pioneiro na tecnologia de carros autônomos, foi acusado criminalmente de roubar segredos comerciais de seu ex-empregador Google, antes de ir para a Uber. A acusação espelha amplamente as alegações de que a Waymo, da Alphabet, também dona do Google, onde Levandowski trabalhou, fez um processo em 2017 contra a Uber, mais tarde resolvido. Os advogados de Levandowski disseram que ele não roubou nada e que esperam provar sua inocência no julgamento. Levandowski, de 39 anos, declarou-se inocente das acusações.

LEIA MAIS: Uber planeja dobrar investimento no Uber Freight

O juiz estabeleceu um pacote de fiança preliminar de US$ 300 mil em dinheiro e a garantia de duas propriedades no valor de US$ 2 milhões. Levandowski entregou seus passaportes americano e francês e usará uma tornozeleira eletrônica para monitorar seu paradeiro. Um promotor expressou receio de que Levandowski possa fugir. Ele pode pegar até 10 anos de prisão em cada caso, se condenado.

A acusação de Levandowski é um dos casos de roubo de segredos comerciais mais conhecidos do Vale do Silício, à medida que os engenheiros correm para desenvolver tecnologia para veículos autônomos, que os especialistas do setor veem como uma oportunidade de mercado de US$ 1 trilhão em três décadas.

Os promotores acusaram Levandowski de roubar materiais no final de 2015 e no início de 2016 ligados à tecnologia de carros autônomos da Waymo. Eles dizem que ele fez isso após decidir sair e formar sua própria empresa autônoma, a Ottomotto, que o Uber comprou mais tarde. Todas as pessoas são livres para mudar de emprego, disse o advogado dos EUA, David Anderson. “Mas o que não podemos fazer é encher nossos bolsos a caminho da porta.”

Anderson se recusou a responder à pergunta de um repórter sobre se o Uber também poderia enfrentar acusações criminais. Um porta-voz da Uber disse que a empresa cooperou com o governo durante toda a investigação e que continuaria a fazê-lo.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).