BNDES pode investir R$ 1,1 trilhão no Brasil até 2021

Reuters
Em termos reais, investimento no período deve subir 2,7%, segundo o banco

Os investimentos no país devem somar R$ 1,1 trilhão no quadriênio 2019-2022, segundo um estudo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o montante representa um aumento nominal de 6,8% ante a estimativa anterior válida para o período entre 2018 e 2021. Os números do BNDES consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo banco de fomento e envolvem 19 setores, sendo 11 da indústria e oito da infraestrutura. Em termos reais, o investimento no período deve subir 2,7%, segundo o banco.

LEIA MAIS: Governo transfere 20 milhões de ações do BB ao BNDES

O investimento é puxado principalmente pelo segmento de petróleo e gás, impulsionado pela recuperação do preço do petróleo e pelos leilões de concessão ou de partilha de blocos exploratórios ocorridos em 2017 e no início de 2018.

Já na infraestrutura, a previsão é de investimento médio anual próximo ao estimado no levantamento anterior (2018-2021). “Os segmentos de logística e saneamento devem mostrar melhor desempenho dos investimentos nas áreas mais carentes de desenvolvimento, sobretudo a partir de 2020”, segundo o BNDES.

A análise feita pela área econômica do banco aponta para uma redução no quadro de alto endividamento e restrição de caixa das empresas no segmento de mineração. Outro destaque foi a siderurgia, com a melhora das margens de lucro do setor.

Para o BNDES, privatizações, concessões e mudanças regulatórias também influenciam positivamente o quadro previsto para os investimentos, enquanto a situação fiscal dos Estados continua sendo fator de inibição.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).