China e EUA retomarão negociações fortes em outubro

Aly Song/Reuters
Crescem temores de que a guerra comercial possa levar a recessão global

China e Estados Unidos concordaram hoje (5) em realizar negociações comerciais de alto nível no início de outubro em Washington, em meio a temores de que uma crescente guerra comercial possa desencadear uma recessão econômica global. As negociações foram acertadas em ligação telefônica entre o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, o representante de comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, informou o Ministério do Comércio da China em comunicado em seu site. O presidente do banco central da China, Yi Gang, também participou do telefonema.

LEIA MAIS: Trump ordena que empresas dos EUA saiam da China

“Ambos os lados concordaram que deveriam trabalhar juntos e adotar ações práticas para criar boas condições para discussões”, afirmou o ministério. “Os principais negociadores de ambos os lados tiveram uma conversa por telefone muito boa esta manhã (horário local)”, disse o porta-voz do ministério Gao Feng em uma entrevista semanal. “Nós nos esforçaremos para alcançar um progresso substancial durante a 13ª rodada de negociações de alto nível China-EUA no início de outubro.”

Gao também disse que Pequim se opõe a qualquer escalada na guerra comercial.

As equipes que tratam de temas comerciais dos dois países terão conversas em meados de setembro, antes das negociações de alto nível no próximo mês, disse o ministério.

Um porta-voz do Escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos confirmou que Lighthizer e Mnuchin conversaram com Liu e disseram que concordaram em manter negociações comerciais em nível ministerial em Washington “nas próximas semanas”.

As notícias sobre as negociações em outubro impulsionaram a maioria dos mercados acionários asiáticos nesta quinta-feira, aumentando a esperança de que possam diminuir a guerra comercial EUA-China antes que inflija mais danos à economia global.

No domingo, Washington começou a impor tarifas de 15% sobre uma série de importações chinesas, enquanto a China começou a aplicar tarifas sobre o petróleo bruto dos EUA. A China disse na segunda-feira que apresentou uma queixa contra os Estados Unidos na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Os Estados Unidos planejam aumentar as alíquotas para 30%, ante o nível de 25% já aplicado, sobre importações chinesas no valor de 250 bilhões de dólares a partir de 1º de outubro.

O presidente dos EUA, Donald Trump, havia alertado na terça-feira que seria mais duro com Pequim em um segundo mandato se as negociações comerciais persistissem, aumentando temores do mercado de que disputas entre os Estados Unidos e a China poderiam desencadear uma recessão nos EUA.

Os líderes chineses terão uma agenda lotada no próximo mês, preparando-se para as comemorações do Dia Nacional, agendadas para 1º de outubro.

Eles também realizarão uma importante reunião em outubro para discutir a melhoria da governança e o “aperfeiçoamento” do sistema socialista do país, informou a mídia estatal.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).