China busca US$ 2,4 bi em sanções contra caso da era Obama, diz OMC

Jason Lee/Reuters
A China foi à OMC em 2012 para contestar tarifas contra subsídios dos EUA

A China está buscando US$ 2,4 bilhões em sanções retaliatórias contra os Estados Unidos por não cumprimento de determinação da OMC em um caso envolvendo tarifas da época do presidente Barack Obama, mostrou um documento publicado hoje (21).

LEIA MAIS: Trump diz que não deve assinar acordo com a China até se reunir com Xi

Juízes de apelação da Organização Mundial do Comércio (OMC) disseram em julho que os EUA não cumpriram totalmente a decisão da OMC e podem enfrentar sanções chinesas se não removerem certas tarifas que quebram as regras da organização.

O órgão de resolução de disputas da OMC deu efetivamente a Pequim a luz verde para buscar sanções compensatórias em meados de agosto. Os EUA disseram na época que não consideravam válidas as conclusões da OMC e que os juízes adotaram “a interpretação legal errada nessa disputa”.

A China continua a ser a “transgressora em série” do acordo de subsídios da OMC, disse a delegação norte-americana. Procurada pela Reuters nesta segunda-feira, a missão dos EUA em Genebra não comentou imediatamente.

Os EUA deixaram de atender às recomendações e determinações dentro do período específico e nenhum acordo de compensação foi alcançado, disse a China em seu pedido.

A China foi à OMC em 2012 para contestar tarifas contra subsídios dos EUA sobre exportações chinesas incluindo painéis solares, torres eólicas, cilindros de aço e outros, que a China avaliou em US$ 7,3 bilhões na época.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).