Ghosn foge para o Líbano e diz que não será “refém” do sistema de justiça do Japão

ReutersConnect/Mohamed Azakir
Ghosn declarou que sua ida para o Líbano não é uma fuga da justiça

O ex-chefe da Nissan Carlos Ghosn estava em sua casa de infância no Líbano hoje (31), depois de fugir do que ele disse ser um sistema de justiça “fraudulento” no Japão, levantando questões sobre como um dos mais reconhecidos executivos do mundo escapou da prisão domiciliar.

LEIA MAIS: Polícia francesa faz buscas na Renault em caso Ghosn

A partida abrupta de Ghosn marca a mais recente reviravolta dramática em uma saga de um ano que abalou a indústria automobilística global, ameaçou a aliança da Nissan e a principal acionista Renault e lançou um olhar crítico sobre o sistema judicial do Japão.

“Agora estou no Líbano e não vou mais ser refém de um sistema judicial japonês fraudulento, em que se presume culpa, a discriminação é desenfreada e direitos humanos básicos são negados”, disse Ghosn, de 65 anos, em um breve comunicado nesta terça-feira.

“Não fugi da justiça – escapei da injustiça e da perseguição política. Agora posso finalmente me comunicar livremente com a mídia e estou ansioso para começar na próxima semana.”

LEIA TAMBÉM: Mulher de Ghosn faz apelo a líderes do G20

Autoridades de Tóquio disseram anteriormente que o sistema não é desumano e que Ghosn, que está sendo julgado por acusações de má conduta financeira, negadas por ele, foi tratado como qualquer outro suspeito.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).