China e EUA assinam acordo comercial inicial, mas dúvidas e tarifas persistem

Kevin Lamarque/Reuters
O presidente dos EUA, Donald Trump, cumprimenta o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, durante uma cerimônia de assinatura da “fase 1” do acordo comercial EUA-China

A China vai aumentar as compras de produtos e serviços dos Estados Unidos em US$ 200 bilhões ao longo de dois anos em troca da retirada de algumas tarifas, de acordo com o acordo comercial inicial assinado pelos dois países para aliviar os 18 meses de disputa que afetaram o crescimento global.

Os principais mercados acionários do mundo atingiram máximas recordes após a assinatura do acordo ontem (15) em Washington, mas logo depois tomaram conta as preocupações de que ele pode não aliviar as tensões por muito tempo, com várias questões ainda não resolvidas.

LEIA MAIS: EUA e China redefinem relação comercial com “Fase 1” de acordo

Embora reconheça a necessidade de mais negociações com a China para resolver uma série de problemas, o presidente Donald Trump comemorou o acordo como uma vitória para a economia dos EUA e as políticas comerciais de seu governo.

“Juntos, estamos corrigindo os erros do passado e entregando um futuro de justiça e segurança econômicas para trabalhadores, agricultores e famílias norte-americanos”, disse Trump na Casa Branca ao lado do vice-premiê chinês, Liu He, e outras autoridades.

Liu He leu uma carta do presidente Xi Jinping na qual o líder chinês disse que o acordo é um sinal de que os dois países podem resolver suas diferenças com diálogo.

“Embora os mercados pareçam ter visto esse acordo como um sinal para adotar risco, devemos todos estar cientes de que as manchetes sobre o comércio, particularmente o acordo EUA-China, serão algo constante em 2020”, disse Hannah Anderson, estrategista global de mercados do J.P. Morgan Asset Management.

A peça central do acordo é uma promessa da China de comprar pelo menos mais US$ 200 bilhões em produtos agrícolas e outros bens e serviços dos EUA ao longo de dois anos, sobre uma base de US$ 186 bilhões de compras em 2017, disse a Casa Branca.

O compromisso inclui US$ 54 bilhões em compras adicionais de energia, US$ 78 bilhões adicionais em compras de produtos industriais, US$ 32 bilhões a mais em produtos agrícolas e US$ 38 bilhões em serviços, de acordo com documentos divulgados pela Casa Branca e pelo Ministério das Finanças da China.

VEJA TAMBÉM: China vai aumentar em US$ 76,7 bi compras de produtos dos EUA no 1º ano do acordo comercial

Liu afirmou que as empresas chinesas comprarão US$ 40 bilhões em produtos agrícolas dos EUA anualmente ao longo dos próximos dois anos “com base nas condições de mercado”, que pode ditar o momento das compras em qualquer ano.

Mais tarde Liu disse que o acordo não afetará “os interesses de terceiro”, aparentemente em referência a acordos feitos com outros fornecedores de produtos agrícolas.

As empresas chinesas importarão produtos agrícolas dos EUA de acordo com as necessidades dos consumidores, e a demanda e oferta no mercado, disse Liu a repórteres de acordo com a CCTV.

Trump, que adotou uma política “Estados Unidos Primeiro” visando reequilibrar o comércio global em favor de empresas e trabalhadores dos EUA, disse que a China prometeu ações para enfrentar o problema de produtos pirateados ou falsificados e que o acordo incluía forte proteção aos direitos de propriedade intelectual.

Mais cedo, o principal assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse à “Fox News” que o acordo adicionaria 0,5 ponto percentual ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA em 2020 e 2021.

A “Fase 1” do acordo, alcançada em dezembro, cancelou as tarifas planejadas dos EUA sobre celulares, brinquedos e laptops fabricados na China e reduziu pela metade, para 7,5%, a tarifa sobre cerca de US$ 120 bilhões em outros produtos chineses, incluindo televisores, fones de ouvido bluetooth e calçados.

E TAMBÉM: EUA e China não têm acordo para futuras reduções de tarifas

Mas manterá tarifas de 25% em uma gama de US$ 250 bilhões em bens e componentes industriais chineses usados pelos fabricantes dos EUA.

Trump, que tem tratado a “Fase 1” do acordo como um pilar de sua campanha de reeleição em 2020, disse que concordaria em remover as tarifas remanescentes assim que os dois lados negociarem uma “Fase 2”. Ele acrescentou que essas negociações começarão em breve.

Ele também disse que visitará a China em um futuro não muito distante.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).