Chanel e Prada adiam desfiles na Ásia por coronavírus

Eric Gaillard/Reuters
A Chanel informou que decidiu adiar seu desfile em Pequim para “um momento posterior e mais adequado”

A Chanel e a Prada adiaram seus desfiles na Ásia em maio devido a preocupações relacionadas ao surto de coronavírus.

Em um comunicado, a Chanel informou que, seguindo as recomendações das autoridades chinesas, decidiu adiar seu desfile em Pequim, uma réplica da coleção exibida nas passarelas de Paris em dezembro, para “um momento posterior e mais adequado”.

LEIA MAIS: Prada e Louis Vuitton podem fechar portas em Hong Kong

A grife está monitorando a situação atentamente e informou: “Em primeiro lugar, vêm a saúde e o bem-estar de suas equipes e clientes”.

Nenhuma data nova para o desfile foi dada.

Em outro comunicado, a Prada informou o adiamento do desfile Prada Resort no Japão, originalmente marcado para 21 de maio.

A grife alegou que sua decisão foi tomada como medida de precaução, bem como “um ato de responsabilidade e respeito” por todos aqueles que trabalham e planejam participar do show.

“O Japão continua sendo um dos mercados estratégicos, e eventos relevantes serão remarcados no país em um momento mais adequado”, segundo o comunicado.

A Ásia, e a China em particular, é um mercado importante e lucrativo para grandes marcas de moda como Chanel, Prada, LVMH, Kering e Burberry.

VEJA TAMBÉM: Dona da Gucci, Kering freia investimento na China por receio de coronavírus

Empresas de artigos de luxo já enfrentam uma redução de vendas resultante do surto de coronavírus, já que estão fechando lojas na China e cancelando campanhas publicitárias na segunda maior economia do mundo.

Na semana passada, Gucci e outras grifes de luxo de propriedade da francesa Kering disseram esperar um público menor em seus desfiles neste mês, já que clientes e influenciadoras chinesas devem se ausentar destes eventos comerciais de grande vulto.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).