YouTube reduzirá qualidade do streaming na Europa devido ao coronavírus

SOPA Images/Getty Images
O YouTube decidiu agir para minimizar o estresse no sistema

O Youtube, da Alphabet, anunciou hoje (20) que reduzirá sua qualidade do streaming de vídeos na União Europeia para evitar problemas na internet, já que milhares de europeus, em razão da pandemia de coronavírus, passaram a trabalhar em casa.

O YouTube é a segunda empresa, depois da Netflix, a agir depois que o chefe da indústria da UE, Thierry Breton, pediu às plataformas de streaming que reduzissem a qualidade de seus vídeos para evitar a sobrecarga da internet. Os vídeos representam uma parte substancial dos dados de tráfego da internet.

LEIA MAIS: Tudo sobre o coronavírus

A mudança ocorreu depois que Breton conversou com o presidente-executivo da Alphabet, Sundar Pichai, e com a presidente-executiva do YouTube, Susan Wojcicki.

A empresa disse que até agora havia visto apenas alguns picos de uso, mas decidiu agir para minimizar o estresse no sistema.

Um porta-voz disse que a decisão inclui o Reino Unido e será inicialmente de 30 dias, sujeita a revisão.

Os provedores de telecomunicações da Europa, da Vodafone à Deutsche Telekom, relataram um aumento no tráfego de dados nos últimos dias.

Breton quer que a internet seja capaz de lidar com serviços cruciais, como assistência médica e aulas online, pelo fato de milhares de crianças estarem em casa durante o surto de coronavírus.

A Netflix disse ontem (19) que reduziria as taxas de bits, que determinam a qualidade e o tamanho de seus arquivos de áudio e vídeo, em toda a Europa por 30 dias, reduzindo o tráfego nas redes europeias em cerca de 25%.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).