Ibovespa recua com aversão a risco no mundo

Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Às 10:21, o Ibovespa caía 2,33%, a 78.055,81 pontos

A bolsa paulista começava o dia (15) com viés negativo, após o Ibovespa encostar nos 80 mil pontos na véspera (14), alinhada a ativos de risco no exterior diante de persistentes incertezas sobre os efeitos econômicos da pandemia do coronavírus.

Às 10:21, o Ibovespa caía 2,33%, a 78.055,81 pontos. Na véspera, o Ibovespa subiu 1,37%, a 79.918,36 pontos, na segunda alta seguida, ampliando os ganhos em abril para 9,45%, enquanto no acumulado do ano o desempenho ainda estava negativo em 30,9%.

LEIA MAIS: Ibovespa abre em alta com dados de China e resultados nos EUA no radar

Para Arthur Kroeber, chefe de pesquisa na Gavekal, do ponto de vista do controle de infecções, a perspectiva é muito mais positiva. “O caminho para a recuperação econômica, no entanto, ainda parece lento e difícil”, afirmou em relatório.

Investidores estão particularmente atentos à temporada de resultados trimestrais de companhias dos Estados Unidos, que começou nesta semana e mostrará os primeiros reflexos da pandemia na maior economia do planeta.

Os futuros acionários em Wall Street recuavam nesta manhã, com números piores do que as expectativas sobre o varejo norte-americano referendando vendas após forte valorização dos índices na véspera. A queda do petróleo também pesa.

No Brasil, também continuam no radar a chamada PEC do orçamento de guerra e o polêmico projeto de auxílio a Estados e municípios, em razão do forte impacto nas contas públicas e já foram encaminhados para análise dos senadores. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).