iPhone SE chega ao Brasil a partir de R$ 3,7 mil

Leonhard Foeger/Reuters
Leonhard Foeger/Reuters

A Apple lançou versão menor do iPhone em uma estratégia para avançar sobre consumidores impactados pelo coronavírus

A Apple lançou ontem (15) uma versão menor do iPhone com preço de 399 dólares, reduzindo o preço inicial da linha em uma estratégia para avançar sobre consumidores impactados pelos efeitos econômicos da pandemia de coronavírus. Aqui no Brasil, o aparelho custará entre R$ 3,7 mil e R$ 4,5 mil, enquanto a linha iPhone 11, lançada em 2019, varia entre R$ 5 mil e R$ 10 mil.

O aparelho também pode atrair mais usuários para os serviços da Apple, uma crescente fonte de receita para a empresa.

LEIA MAIS: Apple e Google vão criar tecnologia de rastreamento de contatos para combater Covid-19

O iPhone SE, disponível a partir de 24 de abril, é a segunda geração de um modelo anterior. O preço é US$ 50 mais barato do que o modelo anterior mais barato da Apple, o iPhone 8, de US$ 449, que será descontinuado.

Segundo a empresa, a linha SE busca atender quem busca um smartphone com tamanho menor, mais barato e de alta performance. O SE tem tela de 4,7 polegadas e o mesmo processador do modelo mais avançado da Apple, o 11 Pro. Porém, o aparelho não tem conectividade 5G nem o sistema de destravamento do aparelho via leitura da face do usuário. Em vez disso, o modelo tem sensor de impressão digital. Outro detalhe é a presença de uma câmera traseira com apenas uma lente – algo que até mesmo aparelhos Android de preço intermediário já deixaram para trás.

Divulgação
Divulgação

O SE tem tela de 4,7 polegadas e o mesmo processador do modelo mais avançado da Apple

Todos os modelos anteriores do iPhone foram apresentados em eventos com grandes plateias, mas aglomerações estão proibidas na cidade que abriga a sede da Apple, na Califórnia.

Ben Bajarin, analista da empresa de pesquisa de mercado Creative Strategies, afirmou que a Apple provavelmente percebeu que muitos consumidores estavam comprando modelos mais antigos como o iPhone 8 em vez do novo 11 Pro, que custa US$ 999, “e grande parte disso provavelmente ocorre por causa do preço”.

“Ter um aparelho que você tem certeza que vai durar ao longo do tempo é exatamente o que os consumidores querem.”

O iPhone SE também tem um case de alumínio e vidro e virá nas cores preto, branco e vermelho e se parece muito com o iPhone 8, mas com melhores componentes. O tamanho da tela é o mais popular entre os modelos da Apple, que afirma que já vendeu 500 milhões de aparelhos com este tamanho.

Encaixe

Para analistas, o aparelho deve ser visto como um produto com potencial para atender a alguns tipos de consumidores. “Há um grupo de pessoas, cerca de 15% do total, que buscam telefones novos, mas que sejam pequenos e caibam na mão”, afirma Frank Gillett, vice-presidente de pesquisas da consultoria Forrester. Outra demanda específica, diz o analista, é a de empresas que buscam telefones corporativos e podem ter no iPhone SE bom custo-benefício. “São clientes que compram um celular pela segurança e usabilidade, não pela qualidade da câmera”, concorda Annette Zimmermann, vice-presidente de pesquisas do Gartner.

Ela afirma ainda que o aparelho pode fazer bastante sentido para usuários fiéis da Apple, mas que costumam esperar alguns anos para trocar de celular. “O fato de ter surgido em meio a uma crise econômica reforça ainda mais esse potencial”, diz Annette. “Vale lembrar que a Apple olha só para seus usuários, mas não está de olho em quem hoje compra um aparelho mais barato com sistema Android.”

Para Annette, o lançamento deste iPhone SE não garante que tudo está bem na linha de produção da empresa de Tim Cook – hoje, boa parte da fabricação de produtos da Apple é feita na China, bastante afetada pelo coronavírus. “Pode haver problemas para suprir a demanda nos próximos meses e é bastante possível que vejamos um atraso no próximo iPhone”, afirma.

Tradicionalmente, a empresa lança aparelhos com grandes inovações na primeira quinzena de setembro. “É bastante improvável que vejamos um iPhone novo em setembro ou outubro”, reiterou o analista Daniel Ives, da Wedbush Securities.

VEJA TAMBÉM: Apple e Casa Branca lançarão aplicativo sobre Covid-19

Na China, rivais como a Xiaomi lançaram no mês passado modelos com recursos 5G e preço a partir de US$ 425.

A Apple aceitará pedidos do novo aparelho por meio de seu site a partir de sexta-feira (17), com entregas a partir do dia 24. (Com Agência Estado e Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).