Microsoft vence Amazon em licitação de US$ 10 bi

Acordo faz parte do processo de modernização digital do Pentágono.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Embora o Pentágono seja a maior potência militar do mundo, sua tecnologia de informação é inadequada

Acessibilidade


A Microsoft ganhou um contrato do 10 bilhões de dólares do Pentágono para computação de nuvem, informou o Departamento de Defesa, vencendo a favorita Amazon.com.

VEJA TAMBÉM: Microsoft tem resultado acima do esperado, mas computação em nuvem desacelera

O processo de licitação vinha sendo marcado por alegações de conflito de interesse, atraindo até a atenção do presidente Donald Trump, que publicamente atacou a Amazon e seu fundador, Jeff Bezos.

Trump disse em agosto que seu governo estava revendo a proposta da Amazon após reclamações de outras empresas.

O contrato da Nuvem de Infraestrutura de Defesa Corporativa Conjunta (JEDI, sigla em inglês) faz parte de uma modernização digital mais ampla do Pentágono, com o objetivo de torná-lo mais ágil tecnologicamente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Especificamente, o objetivo da JEDI é dar ao Exército melhor acesso a dados e à nuvem a partir dos campo de batalha e outros locais remotos.

A Oracle expressou preocupações sobre o processo de licitação, incluindo o papel de um ex-funcionário da Amazon que trabalhou no projeto no Departamento de Defesa, mas se retirou do processo, e, depois, deixou o Departamento de Estado e retornou à Amazon Web Services.

E AINDA: Órgão de controle de dados da UE levanta preocupações sobre contratos com Microsoft

Em um comunicado, um porta-voz da Amazon Web Services (AWS) disse que a empresa estava “surpresa pela conclusão” do processo de escolha. A AWS está considerando opções para apelar do resultado, disse uma pessoa familiar ao assunto à Reuters.

Embora o Pentágono seja a maior potência militar do mundo, sua tecnologia de informação permanece terrivelmente inadequada, segundo muitos oficiais.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: