Reunião da Opep+ é adiada, enquanto Arábia Saudita e Rússia discutem sobre petróleo

Adiamento ocorre em meio à pressão para estabilizar mercado da commodity.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Leonhard-Foeger-Reuters
Leonhard-Foeger-Reuters

Os preços do petróleo atingiram mínima de 18 anos em 30 de março devido a uma queda na demanda causada por isolamentos para conter o surto de coronavírus

Acessibilidade


A Opep e a Rússia adiaram uma reunião prevista para segunda-feira para discutir cortes na produção de petróleo até 9 de abril, disseram fontes da Opep hoje (04), enquanto uma disputa entre Moscou e Arábia Saudita sobre quem é o culpado pela queda nos preços do petróleo se intensificou.

O adiamento ocorreu em meio à pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, liderada pela Arábia Saudita, e seus aliados, um grupo conhecido como Opep+, para estabilizar urgentemente os mercados globais de petróleo.

VEJA MAIS: Gerdau reduz produção nas Américas para enfrentar queda de demanda por aço

Os preços do petróleo atingiram mínima de 18 anos em 30 de março devido a uma queda na demanda causada por isolamentos para conter o surto de coronavírus e o fracasso da Opep e outros produtores liderados pela Rússia em prorrogar um acordo sobre restrições de produção que expirou em 31 de março.

A Opep+ está agora trabalhando em um acordo para reduzir a produção de petróleo equivalente a cerca de 10% da oferta mundial, ou 10 milhões de barris por dia, no que os Estados membros esperam ser um esforço global sem precedentes, incluindo os Estados Unidos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Washington, no entanto, ainda não se comprometeu em participar do esforço, e na sexta-feira o presidente russo, Vladimir Putin, culpou a Arábia Saudita pelo colapso dos preços – provocando uma resposta firme de Riad neste sábado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: