Primeiro dia de IPO da Snowflake torna seus executivos bilionários

Natalie/Cody Gantz/Reprodução/Forbes
Natalie/Cody Gantz/Reprodução/Forbes

Da esquerda para direita: cofundador Benoit Dageville, CEO Frank Slootman, cofundador Thierry Cruanes e CFO Mike Scarpelli

A empresa de banco de dados em nuvem Snowflake abriu seu capital ontem (16) com mais do que o dobro do seu preço de listagem. O desempenho surpreendente das ações no primeiro dia tornou o CEO Frank Slootman, o ex-CEO Bob Muglia e o cofundador Benoit Dageville bilionários.

As ações da Snowflake abriram a US$ 245 ontem, mais do que o dobro do preço de lista da empresa com sede na Califórnia, de US$ 120. Depois de várias horas de atraso, enquanto os banqueiros buscavam um preço pelo qual a empresa teria vendedores suficientes para abrir, as negociações foram paralisadas brevemente a US$ 276, logo após a abertura. A partir das 14h no horário de Brasília, os ativos estavam sendo negociadas a US$ 258,42, dando à Snowflake uma capitalização de mercado de quase US$ 71 bilhões.

LEIA MAIS: Para CEO da bilionária Confluent, futuro do open source é compra, não criação

Fundada em San Mateo, na Califórnia, em 2012 por Benoit Dageville, Thierry Cruanes e Marcin Zukowski, a Snowflake havia levantado de investidores privados, em fevereiro de 2020, um capital de US$ 12,4 bilhões. A empresa, que oferece um data lake virtual de fácil acesso entre provedores de nuvem como Amazon, Google e Microsoft e os próprios programas e aplicativos dos clientes, já estava gerando burburinho.

A Snowflake registrou uma receita de US$ 264,7 milhões no ano fiscal encerrado em 31 de janeiro, e US$ 242 milhões nos seis meses encerrados em 31 de julho, aumento de 174% e 133%, respectivamente. “É uma empresa altamente revisada e examinada”, disse o CEO Slootman à Forbes ontem em uma entrevista. “O único problema foi que ninguém queria vender porque eram de ‘alta convicção’.”

Como CEO e presidente do conselho, Slootman pode ganhar muito no IPO, embora a maior parte de sua participação na Snowflake inclua opções não adquiridas, conforme detalhado no prospecto S-1. Chamado a deixar uma aposentadoria gasta em regatas de veleiros de elite, Slootman havia anteriormente aberto o capital de duas empresas, a Data Domain e a ServiceNow.

Snowflake/Reprodução/Forbes
Snowflake/Reprodução/Forbes

Frank Slootman

Excluindo as opções não adquiridas, Slootman detém cerca de 5,3 milhões de ações da Snowflake, uma participação no valor de US$ 1,4 bilhão avaliada após a abertura de ontem. Isso se soma aos estimados US$ 394 milhões em vendas de ações com taxas que Slootman acumulou durante sua passagem de seis anos como CEO e presidente da ServiceNow. Com o desempenho do primeiro dia da Snowflake, Slootman agora tem um patrimônio líquido de US$ 1,8 bilhão, com muito mais por vir caso ele permaneça por tempo suficiente para suas opções restantes serem adquiridas.

VEJA TAMBÉM: Carrefour Brasil diz que superintendência-geral do Cade aprovou aquisição de ativos do Makro

Questionado sobre seu status de bilionário, Slootman disse que o título “significa muito pouco”, já que sua decisão de ingressar na Snowflake não foi motivada pelo dinheiro. O CEO insiste que não “fica contando dinheiro” ou se compara a outros líderes de tecnologia, mas gosta de construir a empresa acima de tudo. “Eu percorri a costa dos Estados Unidos, literalmente com US$ 100 no bolso, e não estou exagerando quando digo isso”, diz.

O maior vencedor individual do IPO da Snowflake é o cofundador Dageville, que permanece na empresa como diretor de tecnologia. Excluindo as opções não adquiridas, a participação de 3,5% de Dageville significa que ele detém oito milhões de ações da empresa, uma participação de US$ 2 bilhões a um preço de ação de US$ 258. Questionado sobre os fundadores da Snowflake, Slootman os chamou de “pessoas muito, muito humildes”, o que tornou seu ingresso tardio na empresa tranquilo. “Eles te apoiam bastante. Dageville, Cruanes, Zukowski podem não estar tão famintos quanto antes, mas estão super motivados porque acham que esse é a nova história da Snowflake, e estão tão motivados quanto eu. Eles constróem, eu vendo”, disse Slootman.

Snowflake/Reprodução/Forbes

Benoit Dageville

Enquanto Muglia teve de abrir caminho para a chegada de Slootman como CEO em 2019, o ex-CEO da Snowflake, que ajudou a abrir seu capital e levantar suas primeiras rodadas de financiamento de capital de risco ao longo de quase cinco anos no negócio, também alcançou o status de bilionário pelas suas ações da Snowflake. Muglia agora possui uma participação de 1,7% na empresa após entrar em um acordo com a Berkshire Hathaway de Warren Buffett para vender metade de sua posição a US$ 120 por ação no IPO. Muglia fez uma estimativa de US$ 340 milhões com taxas com a venda ontem, embora as ações que ele vendeu já tenham mais do que dobrado de valor desde então. Somada à sua participação restante avaliada em US$ 1 bilhão a um preço de ação de US$ 258, o patrimônio líquido de Muglia é de US$ 1,4 bilhão.

Snowflake/Reprodução/Forbes
Snowflake/Reprodução/Forbes

Bob Muglia

Muitos outros funcionários e investidores estão prontos para lucrar com os enormes pagamentos da rápida valorização da Snowflake na Bolsa de Valores de Nova York caso mantenha esse valor ou mesmo fique perto dele. Com as 49,5 milhões de ações da Snowflake no IPO, a Sutter Hill Ventures agora está em uma posição de quase US$ 13 bilhões ao preço de US$ 258. Outros como Altimeter Partners, ICONIQ, Redpoint Ventures, Sequoia e Dragoneer também podem lucrar na casa dos bilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).