Portugal prevê que TAP precisará de € 2 bi para continuar voando

Valor é para cobrir gastos até 2024 no âmbito de um plano de reestruturação.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Rafael Marchante/Reuters
Rafael Marchante/Reuters

O plano de reestruturação prevê que a TAP terá de cortar cerca de 2.000 empregos até 2022

Acessibilidade


Portugal espera que a companhia aérea TAP precise de cerca de € 2 bilhões em fundos extras com garantias do governo para cobrir seus gastos até 2024 no âmbito de um plano de reestruturação.

A TAP pediu ajuda estatal em abril, depois de suspender quase todos os seus 2.500 voos semanais no auge da crise do coronavírus.

LEIA MAIS: Banco Central Europeu anuncia mais € 500 bilhões em estímulo econômico

O plano de reestruturação, que necessita de aprovação da Comissão Europeia, foi apresentado ontem (10) e prevê que a TAP terá de cortar cerca de 2.000 empregos até 2022 e realizar cortes salariais de até 25%.

Também prevê que a companhia, que teve prejuízo de € 701 milhões nos primeiros nove meses de 2020 e teve queda de 70% no número de passageiros, atingirá o ponto de equilíbrio em 2025.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Se Bruxelas aprovar o plano, a TAP poderá receber até € 1,17 bilhão de auxílios estatais apenas em 2021, afirmou o ministro da Infraestrutura de Portugal, Pedro Nuno Santos.

“A TAP tem 28% mais tripulantes por aeronave do que a maioria das suas concorrentes, o que torna o ajuste que faremos muito mais difícil agora”, disse ele. “Os pilotos ganham mais do que os de algumas de nossas concorrentes.”

O plano também prevê uma redução na frota da TAP para 88 aeronaves, contra pouco mais de 100 anteriormente. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: