Açúcar sobe com sinal de restrições a embarques da Índia e alta da gasolina no Brasil

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros de açúcar bruto na ICE subiram modestamente na sexta-feira com relatos de que a Índia deve impor um teto às exportações na próxima temporada e depois que a Petrobras aumentou os preços da gasolina, um movimento que pode afetar a produção do adoçante.

AÇÚCAR

* O açúcar bruto de julho subiu 0,02 centavo, ou 0,1%, a 18,60 centavos de dólar por libra-peso, após atingir a máxima da semana de 18,96 anteriormente. A queda dos preços do petróleo devido aos temores da recessão limitou os ganhos do açúcar.

* A Índia, um dos maiores produtores de açúcar, deve impor um teto às exportações de açúcar pelo segundo ano consecutivo a partir de outubro deste ano, com o objetivo de garantir o abastecimento doméstico.

* A Petrobras disse na sexta-feira que aumentará os preços da gasolina e do diesel a partir de sábado, em um movimento que favorece o etanol.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

* O mercado de açúcar continua a digerir as mudanças tributárias propostas no Brasil destinadas a conter a inflação, incluindo a alta dos preços dos combustíveis. As mudanças podem levar as usinas a usar mais cana para produzir açúcar em vez de etanol. No entanto, o impacto exato ainda não está claro.

* O açúcar branco de agosto subiu 2,60 dólares, ou 0,5%, a 561,40 dólares a tonelada.

CAFÉ

* O café arábica de setembro caiu 4,4 centavos, ou 1,9%, para 2,274 dólares por libra-peso, em meio a uma liquidação no complexo de commodities, já que os investidores buscavam ativos menos arriscados.

* Os negociantes disseram que o mercado, no entanto, permaneceu sustentado pela queda dos estoques certificados pela ICE, que caíram abaixo de 1 milhão de sacas pela primeira vez desde fevereiro na quinta-feira, ficando um pouco abaixo do nível mais baixo em 22 anos.

* O café robusta de setembro caiu 25 dólares, ou 1,2%, a 2.079 dólares a tonelada.

(Por Marcelo Teixeira, Maytaal Angel e Nigel Hunt)

Compartilhe esta publicação: