Após compra de portfólio da Takeda, Hypera Pharma prevê receita de R$ 4,35 bilhões

Getty Images
Getty Images

Para financiar tal transação, a Hypera conseguiu com os bancos linhas de crédito de R$ 3,5 bilhões

Com 7.500 colaboradores, a dona do maior complexo operacional farmacêutico da América Latina (em Anápolis-GO) e sediada em São Paulo, a Hypera Pharma teve um mês de março agitado. Logo na virada do mês, a empresa anunciou a compra do portfólio latino da Takeda Pharmaceutical International por US$ 825 milhões, o que fez suas ações dispararem.

Foram negociados 18 medicamentos de prescrição e isentos de prescrição (OTC) na América Latina. O pacote inclui produtos em áreas terapêuticas como diabetes, cardiologia, endocrinologia, gastroenterologia, sistema respiratório e clínica geral – além de marcas de bastante relevância como Neosaldina e Dramin.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

Para financiar tal transação, a Hypera conseguiu com os bancos linhas de crédito de R$ 3,5 bilhões. A conclusão da aquisição deve acontecer até o fim do ano, com a aprovação dos órgãos antitrustes e dos acionistas. Vale lembrar que em dezembro de 2019 a empresa já havia ocupado as manchetes com a compra da marca Buscopan, da europeia Boehringer Ingelheim, por R$ 1,3 bilhão. No início da segunda quinzena de março, foi a vez de a Hypera anunciar uma venda de US$ 161 milhões para a Eurofarma. Trata-se de um portfólio de 12 produtos isentos de prescrição nos seguintes países: Argentina, Colômbia, Equador, México, Panamá e Peru.

Dias antes desse anúncio, a marca divulgou que o lucro líquido recuou 23% no 4º trimestre: R$ 238,8 milhões. Na mesma ocasião, anunciou que o lucro líquido esperado para 2020 é de R$ 1,275 bilhão, superior ao R$ 1,164 bilhão de 2019. A previsão é que a receita líquida fique entre R$ 4,25 bilhões e RS$ 4,35 bilhões, cerca de R$ 1 bilhão a mais do que em 2019. Vale lembrar que os efeitos da pandemia de coronavírus na indústria farmacêutica são ainda mais incertos que o de outros setores – algumas empresas podem até sair fortalecidas no enfrentamento da doença.

Reportagem publicada na edição 76, lançada em abril de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).