A teimosia dos números

Mario Garnero
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Em 40 anos, passamos de menos de 30% do PIB da América do Sul, e menor que o da Argentina, para 54% hoje, quase o dobro do que apresentam nuestros hermanos

Acessibilidade


Déficit fiscal de R$ 250 bilhões tornou-se superávit de R$ 20 bilhões a R$ 30 bilhões em 2021.

Após a grande recessão de 2015, a taxa de desempregados subiu a 13,5% no final de 2016. Aprovada a reforma trabalhista, ela despencou a 11,5% no início de 2020. Com a pandemia, voltou a 14,9% no início de 2021, e caiu abruptamente a 12,1% no trimestre findo em outubro. E, contrariando a OIT de Genebra, voltaremos aos níveis de desemprego de antes da pandemia, ou seja, 11,5% da população ativa. Apenas em 2021 foram gerados 10 milhões de empregos. Outro tanto será criado neste ano.

Leia mais: La voglia di fare: a obsessão de criar

Pela primeira vez, alcançamos a cifra histórica de US$ 500 bilhões na balança do comércio internacional. Somados a estes, recebemos, em investimentos diretos do exterior, mais US$ 58 bilhões, além do saldo da balança comercial de US$ 61 bilhões. Nossas reservas internacionais devem superar US$ 400 bilhões.

Crescemos, na pandemia, mais de 4% no ano passado e faremos cerca de 3% neste novo ano, apesar dos palpites negativos, desmentidos no ano passado pela realidade econômica. No item inflação, com 10%, estamos 35% acima dos índices americanos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com cerca de 85% da população vacinada, estamos prontos para enfrentar os rescaldos do coronavírus vencido. Graças aos protocolos eficazes desenvolvidos pela comunidade médico-científica brasileira, usando a nossa vacina: 120 milhões de doses iniciais, desenvolvida na Fiocuz para afugentar os ômicrons e quejandos de nossa vida diária.

Respeito os que não conseguem ver a realidade sem usarem lentes ou azuis ou negras. Mas o equilíbrio na análise de fatos econômicos reais, em especial da mídia e dos empresários e políticos é fundamental, pois as repercussões de seu estado de espírito contaminam o moral do país.

Em 40 anos, passamos de menos de 30% do PIB da América do Sul, e menor que o da Argentina, para 54% hoje, quase o dobro do que apresentam nuestros hermanos.

Faço questão de mostrar nosso país no quadro dos produtores mundiais de alimentos:

Arte/Forbes

E os alimentos serão o que foi o petróleo nos dois séculos anteriores. Serão a bússola do progresso e sobrevivência das nações, ao lado da água. Nossa próxima meta é chegar a 500 milhões de toneladas de grãos e continuar a desenvolver a pecuária em termos sustentáveis e sem subsídios. Ressalto que o agronegócio no Brasil tem duas exponenciais figuras humanas à sua frente. A ministra Tereza Cristina e Teresa Vendramini, presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB). Poderosas executivas que honram esta edição da Forbes, dedicada às mulheres influentes do país.

Mario Garnero é Chairman do Grupo Garnero e presidente do Fórum das Américas

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Coluna publicada na edição 94, de fevereiro de 2022

Compartilhe esta publicação: